Carlos Costa quer mais controlo sobre clientes de risco e aperta cerco à gestão dos grandes devedores

O Banco de Portugal definiu que as políticas de cada banco terão de ser entregues até ao dia 30 de junho.

Cristina Bernardo

O Banco de Portugal (BdP) quer que bancos definam regras internas sobre os clientes que considerem de risco elevado, com o objetivo de garantir que futuras decisões sobre concessão de crédito significativo não deixe a instituição financeira exposta, noticia o “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, 24 de fevereiro.

O organismo liderado por Carlos Costa já enviou uma carta circular às administrações das instituições financeiras a apelar à criação de regras quanto aos clientes de risco. Este apelo do BdP pretende facilitar a avaliação do regulador da banca no caso de virem a ser detetadas falhas que levem a perdas com financiamentos, tal como aconteceu no passado, e consequentemente responsabilizar os administradores dos bancos em causa.

O regulador definiu que as políticas de cada banco terão de ser entregues a Carlos Costa até ao dia 30 de junho. Essas políticas vão ser definidas pelo conselho de administração e apresentadas ao órgão de fiscalização.

Com estas novas regras, na eventualidade de os bancos virem a incorrer em perdas significativas devido a empréstimos elevados, tendo em conta que serão os gestores dos bancos a definir quem são os clientes de risco elevado, serão esses mesmos gestores a assumir as decisões na concessão de crédito e a ter de justificá-las, nomeadamente nos casos de concessão ou reestruturação dos créditos.

Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários