Carlos Moedas afasta ser novo símbolo do PSD: “A minha energia e a minha missão estão em Lisboa”

Numa entrevista o jornal espanhol “ABC”, o novo presidente da Câmara de Lisboa, que amanhã toma posse, afirma-se como “o símbolo de uma nova forma de fazer política” e rejeita uma candidatura à liderança do PSD.

Carlos Moedas
Carlos Moedas

Carlos Moedas afasta qualquer cenário de uma candidatura à liderança do partido no futuro, admitindo, numa entrevista ao jornal espanhol “ABC” que não tem planos nesse sentido.

“É muito positivo que haja pessoas que regressaram ao PSD, notamo-lo na coligação Novos Tempos”, respondeu quando confrontado com o facto de a sua popularidade ser atualmente superior à de Rui Rio entre os eleitores do partido e questionado sobre se isso não lhe causa uma certa vertigem política.

“A minha energia e a minha missão estão em Lisboa. Vou concentrar-me na cidade”, garantiu o presidente eleito, concluindo: “Vim de Bruxelas e penso que posso usar os meus contactos europeus. Por isso, gostaria de canalizar essa notoriedade a favor de Lisboa”, frisou, afastando, também, a hipótese de ser considerado como “o símbolo de um novo PSD”.

“Não sei, mas o que sou é o símbolo de uma nova forma de fazer política, de uma forma diferente”, respondeu.

O candidato que ganhou as eleições à Câmara Municipal de Lisboa, no passado dia 26 de setembro — feito que a própria publicação o descreve com “um estilo refinado e contemporâneo” — toma posse esta segunda-feira, 18 de outubro, pelas 17h na Praça do Município. Questionado sobre se foi apanhado de surpresa com a vitória, Moedas garantiu que não, apesar de nenhuma sondagem prever a sua eleição.

“Apercebi-me que isso aconteceria quando me propus a falar num comício para 700 pessoas, com uma base muito forte de jovens, do tipo que costumava dizer: ‘Perdi a fé na política’. Vi que não havia câmaras, mas as pessoas estavam lá. Então eu tinha as provas [de que ia conseguir]”, explicou o ex-comissário europeu.

Sobre o apoio expresso de Isabel Díaz Ayuso, presidente da Comunidad de Madrid, Carlos Moedas mostrou-se encantado por o ter, e acrescentou imediatamente: “Mas também me dizem que tenho algo de Martínez-Almeida. Penso que o presidente da câmara de uma grande cidade tem de ser cada vez mais internacional, e é aí que me encaixo porque o meu perfil realça o facto de ter trabalhado na Europa”.

À última questão sobre como vê uma eventual candidatura de Passos Coelho à Presidência da República, o novo presidente da CML foi elogioso: “Tem sido, e é, um homem incrível, que teve uma grande influência no PSD e na política portuguesa em geral”.

Recomendadas

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.

“Expresso”: Rio deixa PS “inquieto”

“Ele era um líder apagado, mas agora esteve um mês a aparecer todos os dias — e ganhou de maneira surpreendente. Agora, a dúvida das pessoas é esta: será que o Rio é capaz?”, refere um “notável” socialista ouvido pelo semanário.

PR aceita exoneração e substituição por Francisca van Dunem no MAI

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa aceitou esta sexta-feira as propostas do primeiro-ministro para a exoneração do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e para a sua substituição pela ministra da Justiça, Francisca van Dunem, que acumulará funções.
Comentários