Carlos Moedas será mandatário do PSD nas europeias

“Está a acontecer na saúde está a acontecer na política: as pessoas já não querem que lhes digam aquilo que têm a fazer”, disse este sábado o comissário europeu, na Conselho Nacional Estratégico dos sociais-democratas.

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, foi escolhido para ser o mandatário nacional da campanha do Partido Social-Democrata (PSD) nas próximas eleições europeias. O anúncio foi feito por Paulo Rangel este sábado à tarde, na Conselho Nacional Estratégico (CES) do partido, que decorre em Santa Maria da Feira.

Não era esperado que o cabeça de lista do PSD ao Parlamento Europeu subisse ao palco, mas Paulo Rangel fê-lo apenas para revelar o nome de Carlos Moedas. Logo depois, o responsável da Comissão Europeia fez a sua intervenção no CES social-democrata: “Temos de pensar qual é o efeito da descentralização da informação e do conhecimento. A grande questão é como os partidos vão envolver as pessoas, para que tragam esse conhecimento. Isto pressupõe uma grande mudança naquilo que é um partido político”, disse.

No seu discurso nesta convenção, o antigo secretário de Estado Adjunto referiu que “está a acontecer na saúde está a acontecer na política: as pessoas já não querem que lhes digam aquilo que têm a fazer”. “Querem construir o futuro connosco e trabalhar connosco”, explicou Carlos Moedas.

Recomendadas

Chega acusa IGAI de alimentar “cultura de ódio, desrespeito e violência” contra agentes da autoridade

Requerimento de André Ventura para que a inspetora-geral Anabela Cabral Ferreira explique aos deputados o Plano de Prevenção de Manifestações de Discriminação nas Forças e Serviços de Segurança alega que monitorização das redes sociais dos polícias demonstra “prepotência a autoritarismo”.

Tribunal de Contas dá luz verde às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Presidente da Iniciativa Liberal diz que “poderes políticos puseram conscientemente em causa a vida das pessoas por motivos ideológicos”

João Cotrim Figueiredo disse que “não houve ninguém do PS para a esquerda que tivesse a hombridade” de reconhecer que a contratação de consultas de especialidade e de cirurgias aos hospitais privados era uma forma de evitar uma segunda crise de saúde pública “escondida por debaixo da Covid-19”.
Comentários