Carlos Moedas será mandatário do PSD nas europeias

“Está a acontecer na saúde está a acontecer na política: as pessoas já não querem que lhes digam aquilo que têm a fazer”, disse este sábado o comissário europeu, na Conselho Nacional Estratégico dos sociais-democratas.

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, foi escolhido para ser o mandatário nacional da campanha do Partido Social-Democrata (PSD) nas próximas eleições europeias. O anúncio foi feito por Paulo Rangel este sábado à tarde, na Conselho Nacional Estratégico (CES) do partido, que decorre em Santa Maria da Feira.

Não era esperado que o cabeça de lista do PSD ao Parlamento Europeu subisse ao palco, mas Paulo Rangel fê-lo apenas para revelar o nome de Carlos Moedas. Logo depois, o responsável da Comissão Europeia fez a sua intervenção no CES social-democrata: “Temos de pensar qual é o efeito da descentralização da informação e do conhecimento. A grande questão é como os partidos vão envolver as pessoas, para que tragam esse conhecimento. Isto pressupõe uma grande mudança naquilo que é um partido político”, disse.

No seu discurso nesta convenção, o antigo secretário de Estado Adjunto referiu que “está a acontecer na saúde está a acontecer na política: as pessoas já não querem que lhes digam aquilo que têm a fazer”. “Querem construir o futuro connosco e trabalhar connosco”, explicou Carlos Moedas.

Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

Só com o PS é possível manter o equilíbrio na governação – António Costa

De acordo com o primeiro-ministro, nos últimos três anos e meio, os compromissos assumidos “foram cumpridos, porque palavra dada tem sido sempre palavra honrada”.

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.
Comentários