PremiumCarrie Symonds: a primeira namorada da política britânica

Filha de um dos fundadores do jornal britânico “The Independent” e de uma advogada do mesmo órgão de comunicação, Carrie, de 31 anos, recebeu uma educação privilegiada. Começou a trabalhar no Partido Conservador como assessora de imprensa, participou na candidatura de Boris Johnson a mayor de Londres e trabalha atualmente no Vibrant Oceans, um programa ambiental da Bloomberg Philantropies. É a “primeira namorada” a chegar a Downing Street.

Quando Boris Johnson cruzou pela primeira o número 10 de Downing Street, a residência oficial do primeiro-ministro britânico, foi o primeiro a fazê-lo sem estar casado. Boris, de 55 anos, e a namorada, Carrie Symonds mudaram-se oficialmente para a residência oficial esta segunda-feira, dia 30 de julho. A mudança tinha sido alvo de alguma especulação, uma vez que a ida de Carrie, de 31 anos, não estava confirmada – na semana passada, no momento em que o líder fez o primeiro discurso como primeiro-ministro em Downing Street, a namorada encontrava-se entre as pessoas da equipa.

O caso é mais complicado do que parece. A CNN e o jornal espanhol “El Mundo” apelidaram Carrie de “a primeira namorada da política britânica”. É que o antigo mayor de Londres ainda é casado com outra mulher, Marina Wheeler, de quem ainda não se divorciou oficialmente após mais de 20 anos de casamento. Apesar de estarem separados desde 1993, tudo indica que o divórcio será concluído até final do ano. O casal teve quatro filhos.

Artigo publicado na edição semanal de 2 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumO advogado que ensinou gerações de estudantes de Direito

Com a fundação da Cuatrecasas/Gonçalves Pereira, o advogado protagonizou uma das mais importantes fusões da advocacia ibérica. Ao longo da carreira representou o país em organismos internacionais. Faleceu no passado dia 9 de setembro, aos 83 anos.

Premium“O que abunda na Assembleia da República é o centralismo”

Carlos Pereira diz que se “não existir consenso” entre os deputados da Madeira, com assento na Assembleia da República, torna-se difícil ou até mesmo impossível aprovar o que quer que seja.

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.
Comentários