Carros elétricos: Nissan investe dois milhões de euros para instalar 100 carregadores rápidos em Portugal

A marca nipónica pretende instalar os postos de carga rápida no país até ao final de 2020.

Mark Blinch / Reuters

A Nissan vai instalar 100 carregadores rápidos de carros elétricos em Portugal. A marca japonesa vai investir dois milhões de euros nestas infraestruturas de carga rápida até 2020.

“A Nissan quer tomar o papel de ator principal em Portugal nas infraestruturas de carregamento rápido”, disse o diretor-geral da Nissan Portugal, António Melica, esta quarta-feira, durante o anúncio deste investimento.

“As infraestruturas de carregamento são fundamentais para acelerar a eletrificação da mobilidade”, afirmou o responsável durante o Fórum de Mobilidade da Nissan, que teve lugar em Lisboa.

Os primeiros 20 carregadores rápidos vão ser instalados em parceria com a Galp, mas a marca nipónica está disposta a forjar mais parcerias para instalar mais carregadores rápidos, destacou o gestor, em declarações aos jornalistas presentes no evento.

Em atualização

Relacionadas

Ministro do Ambiente diz que Estado vai adquirir mais 200 veículos elétricos

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, Matos Fernandes, afirmou este sábado que a frota automóvel do Estado “tem de se renovar” e que para este ano está prevista a aquisição de mais 200 veículos elétricos para a administração pública.

Governo acaba com cheque para carros elétricos de luxo

Cheque de 2.250 euros dado pelo Governo vai ter um teto máximo de 62.500 euros. Acabaram-se os subsídios para comprar os Tesla mais caros, que atingem os 100 mil euros, entre outros carros elétricos de luxo.

Venderam-se mais de 4 mil carros elétricos em 2018

No ano passado, as vendas de automóveis elétricos em Portugal aumentaram 148,4%.
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários