Caso do procurador europeu: Ordem dos Advogados avança com queixa-crime ao Ministério Público

O bastonário Luís Menezes Leitão acredita que o dever da Ordem é “exigir a averiguação de eventuais responsabilidades criminais neste assunto” e teme que possa estar em causa “a prática de ilícitos criminais como abuso de poder e falsificação de documentos”.

luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados
Mário Cruz/Lusa

A Ordem dos Advogados (OA) anunciou esta quarta-feira que vai avançar com uma participação criminal (queixa-crime) ao Ministério Público (MP) contra incertos – desconhecidos – para apurar responsabilidades na polémica em torno da nomeação do procurador europeu José Guerra.

A decisão da entidade liderada por Luís Menezes Leitão surge depois das notícias e factos vindos a público sobre este processo que na segunda-feira levou à demissão do diretor do serviço de Política de Justiça, o número um da Direção-Geral da Política de Justiça.

O bastonário da OA vai pedir ao MP que averigue “a eventual responsabilidade criminal no caso dos dados falsos sobre o procurador José Guerra, considerando que este é um assunto de extrema gravidade que não pode ficar encerrado com a simples declaração de que se tratou de lapso dos serviços do Ministério da Justiça, especialmente depois das posteriores afirmações do diretor geral da Política de Justiça, que entretanto se demitiu”.

A Ordem recorda que lhe compete defender o Estado de Direito e colaborar na administração da justiça. “Esta não pode deixar de atuar perante situações que colocam em causa a reputação das instituições e dos documentos oficiais do Estado”, assevera a instituição, temendo que em causa esteja a “prática de ilícitos criminais como abuso de poder e falsificação de documentos”, que se se vierem a confirmar podem ter um “indiscutível impacto na visão que os cidadãos têm das entidades que os regem”.

Luís Menezes Leitão acredita que o dever da OA é exigir a averiguação de eventuais responsabilidades criminais neste assunto. “Os indícios de irregularidades e falsas informações são de molde a eventualmente pôr em causa a regularidade da nomeação do procurador português na Procuradoria Europeia e a criar um grave desprestígio, não só das instituições portuguesas, mas também das próprias instituições europeias”, argumenta.

Na semana passada, a SIC e o semanário “Expresso” noticiaram que, numa carta enviada para a União Europeia, o Governo apresentou dados falsos sobre o magistrado preferido do Governo para procurador europeu, José Guerra, depois de um comité de peritos ter considerado Ana Carla Almeida a melhor candidata para o cargo.

Na missiva, a que o canal e o jornal do grupo Impresa tiveram acesso, José Guerra é identificado com a categoria de “procurador-geral-adjunto”, que não tem, sendo apenas procurador, e como tendo tido uma participação “de liderança investigatória e acusatória” no processo UGT [desvio de verbas do Fundo Social Europeu], o que também não é verdade, porque foi o magistrado escolhido pelo Ministério Público para fazer o julgamento e não a acusação.

Ler mais
Relacionadas

Ministra da Justiça vai ser ouvida quinta-feira no parlamento

O parlamento aprovou esta quarta-feira os requerimentos de quatro partidos para ouvir a ministra da Justiça “com carácter de urgência” sobre as incorreções na informação curricular do procurador europeu José Guerra, numa audiência agendada para quinta-feira.

Direita pressiona ministra da Justiça a demitir-se. Esquerda aguarda explicações

O primeiro-ministro, António Costa, mantém “total confiança” na ministra da Justiça, mas entre os partidos e candidatos presidenciais têm-se multiplicado as críticas à atuação de Francisca Van Dunem na nomeação do magistrado José Guerra para procurador europeu da Justiça. Enquanto uns pedem explicações, há quem exija já a sua demissão.

Ordem dos Advogados do Porto diz que ministra da Justiça “está a mais” 

Para o presidente do Conselho Regional do Porto da Ordem dos Advogados, “a triste realidade é que o concurso está inquinado desde o princípio, pois foram admitidos procuradores que não tinham condições para tal e foi rejeitado um juiz desembargador que era o único elegível”.
Recomendadas

Abreu Advogados vê receitas aumentarem 12% para 33,6 milhões de euros em 2020

O negócio internacional tem um peso de 40% nas contas da sociedade de advogados.

Garrigues sobe faturação para 386,9 milhões de euros em 2020

Nos últimos cinco anos a sociedade de advogados fez um investimento de 55,1 milhões de euros em projetos de transformação tecnológica e em 2020 a fatia orçamental para I&D foi de 3,1% das receitas totais.

Universidade Nova e Vieira de Almeida debatem as cidades do futuro esta terça-feira

Evento pretende promover a colaboração com diferentes stakeholders da academia e do sector jurídico e empresarial, com o objetivo de antecipar tendências legais, identificar desafios jurídicos emergentes e contribuir para as soluções legais e não só, da sociedade do futuro.
Comentários