‘Caso Marega’: Conselho de Disciplina da FPF abre processo disciplinar ao Vitória de Guimarães

Em causa estão os insultos racistas de que foi alvo o jogador do FC Porto no jogo do último domingo. O clube vimaranense corre o risco de efetuar três jogos à porta fechada.

DR

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) instaurou um processo disciplinar ao Vitória de Guimarães na sequência dos insultos racistas contra o jogador do FC Porto, Marega, no encontro do último domingo, revela a rádio “TSF” esta terça-feira, 18 de fevereiro.

De acordo com a “TSF”, o processo já seguiu para a Comissão de Instrutores da Liga de Clubes. O Vitória de Guimarães corre o risco de realizar um a três jogos à porta fechada, além de uma multa.

Os insultos dirigidos ao avançado dos dragões durante o encontro da 21.ª jornada, disputado no domingo, em Guimarães, constam no relatório do árbitro Luís Godinho, da associação de Évora, e dos delegados Nuno Pedro e Augusto Carvalho, segundo a mesma fonte.

O avançado do FC Porto recusou-se a permanecer em campo, ao minuto 71 do jogo, após ter sido alvo de cânticos racistas por parte dos adeptos da formação vimaranense, numa altura em que os ‘dragões’ venciam por 2-1, resultado com que terminou o encontro.

Depois de pedir a substituição, Marega, que já alinhou no emblema minhoto e tinha marcado o segundo golo dos azuis e brancos, dirigiu-se para as bancadas do recinto vimaranense, com os polegares a apontarem para baixo, situação que originou uma interrupção do jogo durante cerca de cinco minutos.

Vários jogadores do FC Porto e do Vitória de Guimarães tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo, tendo acabado por ser substituído por Manafá.

O Vitória de Guimarães corre o risco de ser punido com uma sanção de um a três jogos à porta fechada e, acessoriamente, com uma multa que, no limite pode chegar aos 102 mil euros, caso se demonstre que o Vitória promoveu, consentiu ou tolerou atos racistas, explicou o ex-secretário de Estado do Desporto, Alexandre Miguel Mestre, em entrevista ao “Jornal Económico”.

No entanto, o advogado e consultor esclarece que o quadro previsto nestes casos (Artigo 113.º do Regulamento Disciplinar da Liga) é de difícil aplicação, tendo em conta que “a culpa do clube é de difícil prova”.

Caso se aplique o artigo 187.º do mesmo regulamento, que tipifica a infração de comportamento incorreto do público, a multa vai apenas a um limite 1530 euros.

Ler mais
Relacionadas

‘Caso Marega’: “Já temos várias pessoas identificadas através videovigilância e testemunhos”, diz PSP

Equipa especial da PSP, criada para o efeito e que conta com o Ponto Nacional de Informações sobre Desporto, já identificou “vários” suspeitos de insultos racistas ao jogador do FC Porto, Moussa Marega. Processo de identificação está em curso e deverá estar concluído “em breve”. Ainda não foram constituídos arguidos os suspeitos identificados através da ajuda de videovigilância e testemunhos de outros adeptos.

‘Caso Marega’. “Culpa do clube é de difícil prova”, admite ex-secretário de Estado do Desporto

Alexandre Miguel Mestre esclarece em entrevista ao JE que, no caso das penas previstas para os adeptos, estamos perante o crime de discriminação e incitamento ao ódio e à violência, previsto no artigo 240, número 2, alínea b) do Código Penal, punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos.

Marega: do subúrbio de Paris ao inferno de Guimarães

Calmo, paciente, por vezes desajeitado. Moussa Marega arriscava a ser apenas mais um jogador a pisar os relvados nacionais. O racismo, sempre presente nos estádios desportivos, alterou-lhe os planos e levou-o a lidar de forma desassombrada com o preconceito que teima continuar a existir no futebol nacional.
Recomendadas

Ronaldo e companhia aceitam reduzir salários e Juventus poupa 90 milhões de euros

Pacto da direção do clube com os jogadores e equipa técnica passa por uma redução de salários entre março e junho deste ano.

“Se o Benfica queria fazer a OPA, agora pode fazê-la a um preço muito mais baixo”

“Transparência: foi isso que faltou em todo este processo”, sublinhou o consultor e advogado Luís Miguel Henrique sobre a OPA à SAD do Benfica. “Principais perdedores deste processo são quatro a cinco pessoais que perdem aqui o seu PPR”, considerou este comentador no programa “Jogo Económico”.

Covid-19: Hudson-Odoi, primeiro infetado na liga inglesa, já está recuperado

Hudson-Odoi, internacional inglês de 19 anos, estava a ser um dos jogadores regularmente utilizados por Lampard quando o campeonato foi suspenso devido à pandemia de covid-19, em 13 de março, numa altura em que o Chelsea seguia em quarto lugar.
Comentários