Catalunha: Puigdemont critica “deslealdade” entre independentistas

Exilado na Bélgica Carles Puigdemont não gostou da criação de um grupo de trabalho para baixar a tensão e alcançar uma solução para o conflito em Barcelona.

O ex-presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, advertiu este domingo que a “deslealdade e a divisão intencionais” no espaço independentista são um obstáculo “difícil de superar”, numa resposta à iniciativa do presidente do Parlamento da Catalunha, Roger Torrent.

Torrent, a autarca de Barcelona, Ada Colau, e representantes do CCOO, UGT, Pimec, Foment del Treball, Circulo de Economia, LaFede.cta, a Taula del Tercer Sector e a FAVB reuniram-se no sábado para criar um espaço de trabalho que tem como objetivo baixar a tensão e alcançar uma solução democrática para o conflito político na Catalunha.

A iniciativa incomodou o JxCat, que criticou o facto de não ter sido informada do encontro e de ter sido “vetada” a Assembleia Nacional Catalã (ANC), pelo que pediu explicações a Torrent.

Nesse contexto, o líder do JxCat, Carles Puigdemont, lançou uma mensagem na rede social Twitter: “A deslealdade e a divisão intencionais são um grave obstáculo, difícil de superar. Nenhum calculo partidário o justifica. Alguns vão dar conta quando já for demasiado tarde e descobrirão que a unidade que tanto reclamamos haveria sido muito eficaz nestes momentos”.

O primeiro vice-presidente do Parlamento e deputado do JxCat, Josep costa, lamentou-se na mesma rede social, avançando que conheceu a proposta de Torrent pela imprensa e que não se tenha criado um espaço de trabalho “transversal”.

Este domingo, uma centena de pessoas deslocou-se até à residência de Puigdemont, na localidade belga de Waterloo, para iniciar uma marcha de 17 quilómetros até Bruxelas para protestar contra a sentença do Supremo Tribunal aplicada aos políticos independentistas.

Puigdemont foi saudar os manifestantes, que se juntaram debaixo de chuva, e disse-lhes que não os podia acompanhar porque tinha “trabalho”.

Com a polícia em alerta máximo devido à escalada de violência nos últimos dias, e um grande dispositivo no centro de Barcelona, houve apenas momentos de tensão intermitentes na praça Urquinaona, epicentro da batalha campal de sexta-feira.

Os movimentos de protesto começaram na segunda-feira, depois de ser conhecida a sentença contra os principais políticos catalães responsáveis pela tentativa de independência, em outubro de 2017. Os juízes decidiram condenar nove deles a penas até 13 anos de prisão, por delitos de sedição e peculato.

Ler mais
Relacionadas

Carles Puigdemont: “É hora de reconhecer o problema e fazer política”

“Concordo com o apelo [de hoje feito pelo atual chefe da Generalitat, Quim Torra] ao governo espanhol para que assuma sua responsabilidade e retorne à mesa de negociações”, escreveu o ex-chefe da Generalitat na sua conta Twitter.

Catalunha: Extrema-direita espanhola pede que política atue “de uma vez por todas” na região

O secretário-geral do partido Vox (extrema direita) pediu hoje ao governo espanhol que autorize “de uma vez por todas” a polícia a atuar “como sabe” na Catalunha e, em consequência, use “todo o material antidistúrbios”.
Recomendadas

Estudo revela aumento das emissões poluentes nos países do G20

O relatório em questão analisou as políticas e as ações climáticas que os países do G20 têm realizado para que seja possível atingir o que foi acordado em 2015.

Espanha: “caminho para governo minoritário permanece desafiador”, diz Fitch

“O resultado inconclusivo de domingo significa que a formação do governo – seja numa coligação formal ou num governo minoritário – irá ainda depender do apoio ativo ou abstenção na confiança parlamentar”, explica a agência, numa nota de avaliação às eleições.

Holanda vai reduzir velocidade máxima nas autoestradas para 100 quilómetros/hora

O limite existente de até 130 quilómetros ainda será permitido à noite, mas durante o dia vai descer já no próximo ano, por motivos ambientais.
Comentários