Catarina Martins: “Decretar a requisição civil é um erro e uma limitação do direito à greve”

Coordenadora do Bloco de Esquerda apelou para que o Governo “pare com as provocações” e exija que “todas as partes se sentem em negociações sem pré condições”.

© Jornal Económico/ Cristina Bernardo

“O que precisamos neste momento é parar com a escalada de provocações, ter responsabilidade e precisamos que as várias partes se sentem à mesa numa negociação que respeite os direitos dos trabalhadores”, começou por criticar Catarina Martins à porta do Centro de Medicina da Reabilitação de Rovisco Pais, em Tocha, Cantanhede, esta terça-feira. “Decretar a requisição civil a pedido das entidades empregadoras é um erro e uma limitação do direito à greve”, prosseguiu

A coordenadora do Bloco de Esquerda visitou aquela unidade para acompanhar a situação de alguns trabalhadores no setor da saúde com vínculo precário. Em declarações aos jornalistas, a deputada prestou falou sobre o estado atual da greve dos motoristas e criticou a decisão do Governo de decretar uma requisição civil.

“Já ficou determinado que há horários de trabalho absolutamente selvagens neste setor e que há uma fuga generalizada das contribuições à segurança social. O Governo já tinha conhecimento da situação e portanto devia ter agido para travar esta escalada”, afirmou em declarações aos jornalistas.

“Neste momento, sendo esta uma greve que mobiliza tantos recursos públicos, o governo não deve apelar apenas ao entendimento. Deve exigir que todas as partes se sentem em negociações sem pré condições. O país não pode ficar em suspenso da irresponsabilidade e provocações”, rematou.

O Governo decretou esta segunda-feira requisição civil para a zona sul do país a partir de Sines, abastecimentos da REPA (Rede Estratégica de Postos de Abastecimento) e aeroportos e ainda de unidades autónomas de gás natural (setores onde se registou o incumprimento dos serviços mínimos), e após reunião do Conselho de Ministros eletrónico, de forma a diminuir o efeito das greve dos motoristas de matérias perigosas que teve início à meia-noite, anunciou Tiago Antunes, secretário de Estado da Presidência do Conselho Ministros.

O governante justificou esta decisão com o facto de se ter registado incumprimento de serviços mínimos na zona sul do país a partir de Sines, abastecimentos da REPA (Rede Estratégica de Postos de Abastecimento) e aeroportos e ainda de unidades autónomas de gás natural. Relativamente ao Aeroporto de Lisboa, Tiago Antunes realçou que, no que concerne a abastecimento de combustível, apenas 25 das 119 viagens tinham sido concretizadas até às 16h00 desta segunda-feira.

Ler mais
Relacionadas
pedro-pardal-henriques

“Governo vem decretar uma requisição civil que não se justifica a não ser numa ditadura”, diz Pardal Henriques

Porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) frisa que esta medida do Executivo “não vem tirar força à greve” e que os motoristas não têm nada a perder já que estão a trabalhar e a ser remunerados no fim do mês.

PCP diz que greve dos motoristas “procura atingir mais a população que o patronato”

Os comunistas defendem que a paralisação instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas por “obscuros objetivos políticos” e sublinha que a requisição civil decretada pelo Governo procura limitar o direito à greve.

Vieira da Silva considera requisição civil “uma atitude de prudência” e alerta para consequências para quem não a cumprir

“Há quem possa pensar que não há consequências, mas haverá. Tem que haver, senão é o próprio poder do Estado que é posto em causa”, salientou o ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, Vieira da Silva.
Recomendadas

Ministério Público abre inquérito sobre surto em lar de Reguengos de Monsaraz

A PGR confirmou a existência de um inquérito sobre o surto de covid-19 que surgiu no lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS), que teve um total de 162 infetados

Crianças até 12 anos não vão pagar viagem de avião para os Açores

A proposta faz parte de um conjunto de 250 medidas presentes na agenda para o relançamento social e económico da região no pós-pandemia da covid-19, que foi hoje apresentada pelo presidente e vice-presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro e Sérgio Ávila, respetivamente.

MARL reduziu passivo no segundo trimestre de 2020

Nos últimos quatro anos, o volume de negócios da MARL, SA aumentou 5,6%, o resultado líquido recorrente aumentou 20,7%, o EBITDA recorrente aumentou 12,3% e a dívida financeira líquida diminuiu 43,6%.
Comentários