Cathay vendeu por erro bilhetes de Portugal para Hong Kong por 170 euros

A companhia aérea de Hong Kong Cathay Pacific vendeu voos entre Portugal e aquela região da China, em primeira classe, por menos de 170 euros, repetindo um erro de sistema que já tinha acontecido há duas semanas.

Hong Kong

Os bilhetes de ida em primeira classe entre Portugal e Hong Kong, com escala em Londres, foram vendidos na página na Internet da empresa por 1.512 dólares de Hong Kong (cerca de 168 euros), informou o jornal South China Morning Post, citado pela agência de notícias France Presse.

“Estamos à procura da causa deste incidente tanto interna como externamente com os nossos vendedores”, disse um porta-voz da empresa ao jornal da China.

Os clientes que conseguiram esta tarifa – cerca de dez vezes abaixo do normal – são “um número muito pequeno de pessoas”, afirmou a mesma fonte.

Na noite de Ano Novo, dezenas de viajantes também compraram bilhetes a preços muito baixos entre o Vietname e a América do Norte.

A empresa teve um ano de 2018 difícil, com perdas de 33 milhões de dólares (cerca de 28,8 milhões de euros à taxa de câmbio atual) no primeiro semestre, já que enfrenta uma concorrência cada vez maior das empresas chinesas, com preços agressivos.

A Cathay também foi vítima de um gigantesco caso de violação de dados, admitindo no final de outubro que 9,4 milhões de passageiros foram atingidos. Os piratas informáticos acederam a dados pessoais, como datas de nascimento, números de telefone e passaportes.

Ler mais
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários