Católica revê em ligeira alta crescimento da economia para 2,3% em 2019

Revisão em alta da Católica para o próximo ano é explicada com “a continuação da recuperação económica” em 2018 e com a postura orçamental “expansionista” do Governo para 2019.

Aly Song/Reuters

O núcleo de economistas da Universidade Católica reviu hoje em alta a estimativa de crescimento da economia portuguesa para o próximo ano, dos anteriores 2,2% para 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB).

A previsão do Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Católica para 2019 está em linha com a estimativa do Governo inscrita no Programa de Estabilidade 2018-2022 apresentado em abril, de 2,3% do PIB. Porém segundo o PAN, o primeiro partido político a reunir-se na terça-feira com o Governo sobre o Orçamento do Estado, o executivo prevê agora um crescimento da economia de 2,2% para 2019.

A revisão em alta da Católica para o próximo ano é explicada com “a continuação da recuperação económica” em 2018 e com a postura orçamental “expansionista” do Governo para 2019, adianta o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Católica na folha trimestral de conjuntura.

“De acordo com declarações públicas dos membros do Governo sobre o Orçamento do Estado para 2019, é de esperar que a postura orçamental seja expansionista, o que combinado com a continuação da recuperação económica este ano justifica a revisão em ligeira alta (+0,1 pontos percentuais) da previsão do NECEP para 2019, de 2,2% para 2,3%”, lê-se na nota.

O NECEP reviu igualmente em alta a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2020, de 2% para 2,1% “motivada apenas pela melhoria do crescimento tendencial da economia portuguesa”.

Para 2018, os economistas da Católica mantêm a estimativa de crescimento do PIB em 2,4%, ligeiramente acima das previsões do Governo que prevê um avanço de 2,3%.

O NECEP estima que, no terceiro trimestre de 2018, o PIB tenha crescido 0,6% face ao trimestre anterior e 2,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

“Os dados de alta frequência sugerem que o investimento poderá recuperar de forma mais expressiva no terceiro trimestre, com o consumo privado a ter um crescimento semelhante ao do PIB”, justifica o NECEP.

Por sua vez, as exportações “deverão manter uma saudável recuperação em termos homólogos, mesmo que isso possa significar um soluço na variação em cadeia”, continuam os economistas.

Por sua vez, o crescimento da economia no médio prazo está “condicionado” devido ao “elevado endividamento público e privado” e à taxa de desemprego que deverá ficar entre 6% e 7%.

Sobre o défice orçamental, os economistas continuam a prever que fique próximo dos 0,9% do PIB em 2018, na ausência de medidas adicionais, ficando assim acima da meta do Governo (0,7% do PIB).

O NECEP fala em “riscos oriundos do setor financeiro e das empresas públicas que podem obrigar a medidas pontuais de capitalização com uma dimensão apreciável, não apenas na execução deste ano, mas também na do próximo”.

“Porém, o Governo dispõe dos instrumentos necessários para cumprir as metas do défice se assim o entender”, concluem os economistas da Católica.

Ler mais

Recomendadas

Azul votou favoravelmente a saída da TAP. Estado tem luz verde para a reestruturação

“Neeleman tinha a TAP na mão, com 84,2% dos direitos económicos”, recorda um ex-quadro da TAP. Mas a hipótese da nacionalização da companhia acelerou a saída dos brasileiros da Azul, que votaram favoravelmente o “adeus” à TAP esta segunda-feira, 10 de agosto, no Estado de São Paulo.

Gaia aprova intervenções em empreendimentos sociais no valor de 20 milhões de euros

“Na próxima semana já começam obras em vários”, disse esta tarde, em reunião camarária, o presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, sobre um investimento que resulta de candidatura Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

Empresas com novo apoio à retoma recebem ajuda para subsídio de Natal em 2021

A jurista Alexandra Marcelino explicou que o trabalhador com redução de horário no âmbito do novo apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade “tem direito a subsídio de Natal por inteiro”.
Comentários