CCA escolhe mais um parceiro tecnológico: “Esperamos que gerem elevados ganhos de eficiência”

Jorge Machado, ‘managing director’ da sociedade, explica que “uma das plataformas tem a capacidade de aprender com as rotinas de trabalho do advogado” e, depois, de lhe sugerir “o que fazer com base nessa autoaprendizagem”.

Depois de numa década a trabalhar com a tecnológica portuguesa Roox, a sociedade de advogados CCA escolheu agora a Intapp para se juntar ao leque de ‘aceleradores’ da sua digitalização. A firma com sede em Lisboa implementou as soluções “Intapp Time” e “Intapp Pricing” e Jorge Machado, managing director, explica ao Jornal Económico em que consistem. “Uma das plataformas tem a capacidade de aprender com as rotinas de trabalho do advogado e após um período de tempo tem a capacidade de sugerir-lhe o que fazer com base nessa autoaprendizagem”, conta.

A introdução destas soluções tecnológicas derivou de maiores necessidades de conexão devido ao teletrabalho ou já fazia parte do roadmap da sociedade pré-pandemia?

Estas soluções fazem parte de um plano estratégico da CCA que já estava em curso antes da pandemia e por serem consideradas estratégicas todo o investimento tecnológico foi mantido mesmo com a atual situação em que vivemos. Um dos pilares da nossa visão é o foco na digitalização e desburocratização dos processos e serviços. Estas soluções, suportadas por inteligência artificial, permitem a digitalização de alguns processos internos, bem como a reestruturação de todo o processo de pricing eliminando os riscos inerentes ao mesmo. Desta forma, esperamos que as implementações destas soluções gerem elevados ganhos de eficiência que terão impactos diretos no cliente, nomeadamente, no valor dos serviços prestados.

É uma empresa norte-americana e uma portuguesa. Há alguma ligação entre as duas que tenha levado a essa seleção? À parte o design das soluções e a abordagem, como foi o processo escolha?

A CCA trabalha já há mais de dez anos com um parceiro tecnológico em Portugal, a Roox, empresa portuguesa responsável pela implementação deste projeto na CCA e que nos apresentou as soluções da Intapp. Os principais fatores que levaram à tomada de decisão por esta solução foram: i) as funcionalidades da plataforma que nos permitem operar de forma mais rápida o nosso negócio e eliminar erros nos processos atuais. Estas funcionalidades são diferenciadores face aos restantes softwares existentes no mercado; ii) a tecnologia sob a qual as plataformas foram desenvolvidas, machine learning e inteligência artificial, permitem inúmeras soluções e análises que as plataformas ‘tradicionais’ ainda não estão preparadas para entregar, por exemplo uma das plataformas tem a capacidade de aprender com as rotinas de trabalho do advogado e após um período de tempo tem a capacidade de sugerir-lhe o que fazer com base nessa autoaprendizagem.

Estas soluções implementadas também envolvem aplicativos de cibersegurança? Qual tem sido o investimento da CCA nesta área?

Estas soluções não estão diretamente relacionadas com cibersegurança. Neste campo, temos desenvolvido também diversas ações: investimento contínuo, na manutenção e melhoria, de equipamentos e software de proteção como antivírus e firewall; redes de internet isoladas que permitam não só aos advogados, mas também aos nossos clientes acederem à internet mas sem qualquer ponto de contato com as nossas redes e servidores internos; acessos remotos à nossa rede e às nossas plataformas (com a pandemia tornaram-se essenciais) são sempre realizadas através de VPN para garantir uma maior segurança nas ligações. Temos uma solução tecnológica que nos permite fazer a gestão dos acessos à informação, ou seja, limitar o acesso à informação de cada processo apenas à equipa que está afeta a esse trabalho. Ainda neste campo, com relação ao fator humano, temos realizado ações de formação com o objetivo de promover um uso correto dos equipamentos informáticos, bem como dar a conhecer os principais perigos/ataques e o que se deve fazer em cada situação.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPedro Rebelo de Sousa sobre fusão: “Partilhamos afinidades, sinergias e valores”

SRS integra AAA, sociedade que tem entre os sócios as advogadas Gabriela Rodrigues Martins e Dulce Franco. Fusão será concluída até dezembro e vai criar ‘player’ com forte presença no M&A e Corporate.

Governo mandata Deloitte para fazer nova auditoria ao Novo Banco

Em resposta à Lusa, fonte oficial afirmou que, após a última injeção de capital do Fundo de Resolução no Novo Banco, no valor de 1.035 milhões de euros, foi “imediatamente dado cumprimento ao procedimento previsto na lei para a realização de nova auditoria especial”.

Clearwater e KeyBanc Capital Markets juntam-se para assessorar fusões e aquisições

Trabalhando em conjunto, o KBCM e a Clearwater International poderão desenvolver ainda mais o número de fusões e aquisições (M&A) cross-border dos seus clientes industriais e institucionais nos Estados Unidos, Europa e China.
Comentários