CDS contra agendamento da reapreciação da lei da eutanásia

Depois do veto do Presidente da República, a eutanásia voltou ao Parlamento. Centristas criticam que lei volte a ser debatida na próxima semana, numa altura em que a dissolução da Assembleia da República está em cima da mesa.

Mário Cruz/Lusa

O CDS-PP criticou o agendamento da reapreciação da lei da eutanásia para a próxima semana. Os centristas consideram que não faz sentido estar a debate um tema tão complexo numa altura em que é possível que o país venha a enfrentar eleições antecipadas.

Cecília Meireles disse que o CDS foi contra o agendamento de um assunto tão “complexo e sério” e “quase civilizacional”.

“Não faz nenhum sentido neste período” ser “tomada uma decisão final sobre a eutanásia. “Foi com a nossa oposição que esse agendamento foi feito”, acrescentou a deputada em declarações aos jornalistas no Parlamento.

A centrista considerou que o país deve estar agora num “momento de serenidade”, explicando que a conferência de líderes parlamentares em que participou teve somente o objetivo de “planear a próxima semana” na Assembleia da República.

Recomendadas

“Eduardo Cabrita saiu sem honra nem dignidade. Pragmatismo de Costa chama-se eleições”, destaca Marques Mendes

“Cabrita sai porque há eleições daqui a dois meses e só sai por causa disso. O pragmatismo de António Costa chama-se eleições, se não houvesse eleições legislativas daqui a dois meses, Eduardo Cabrita continuaria no Governo”, realçou Marques Mendes no seu espaço de comentário no “Jornal da Noite” da SIC.

“Se quiser, será deputado do Chega”. André Ventura lança convite a Pedro Passos Coelho no Twitter

O líder do Chega realçou nessa publicação que tem conhecimento de que o antigo primeiro-ministro e ex-líder do PSD não terá gostado do desfecho das diretas do PSD e que “quem votou em Passos ou em Cavaco Silva sente-se órfão politicamente”.

Catarina Martins: “Há poucas coisas tão parecidas com a direita do que uma maioria absoluta do PS”

”Não há nada mais parecido do que uma maioria absoluta do PS do que a direita”, afirmou a líder do BE, referindo-se ao exemplo dos Açores, onde PSD, CDS-PP e PPM fizeram um acordo pós-eleitoral para formar Governo após as eleições regionais de 2020, pondo fim a mais de 20 anos de governos socialistas.
Comentários