CDS-PP aprova prorrogação do Estado de Emergência, mas insiste em “choque de tesouraria”

Francisco Rodrigues dos Santos defende que “é imperioso achatarmos a curva de contágio, mas também a curva das insolvências e a curva do desemprego”. E faz reparos à resposta da Direção-Geral de Saúde à pandemia de Covid-19.

António Pedro Santos/Lusa

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, indicou que o seu partido irá aprovar a prorrogação do Estado de Emergência, dizendo que “não podemos abrandar nem afrouxar as medidas de contingência”, mas colocou a ênfase das suas declarações à saída da segunda sessão de apresentação da “Situação Epidemiológica da Covid-19 em Portugal” na necessidade de “um choque de tesouraria” em que o Estado minore o impacto negativo da pandemia nas empresas e famílias portuguesas.

“É imperioso achatarmos a curva de contágio, mas também a curva das insolvências e a curva do desemprego”, disse o líder centrista, referindo-se à injeção de liquidez nas empresas como uma salvaguarda para evitar que a economia portuguesa “não entre numa estagnação profunda e numa crise sem precedentes”.

Entre as medidas defendidas pelo CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos destacou o alargamento do regime simplificado de lay-off aos sócios-gerentes de empresas, uma prestação social extraordinária para profissionais liberais e o ajustamento das tabelas de IRS no que toca à retenção da fonte. Isto porque, segundo o líder centrista, em 2019 “foram retidos indevidamente mais de três mil milhões de euros”, os quais permitirão minorar os problemas económicas de famílias afetadas pela crise económica. “Os  momentos de crise são as alturas próprias para a economia e o Estado serem aliados e não adversários”, disse.

Quanto à evolução da pandemia da Covid-19 em Portugal, o líder partidário fez reparos à resposta das autoridades de saúde, recordando que a Organização Mundial da Saúde recomenda “uma testagem massificada em todos os países”. E referindo que o CDS-PP tem vindo a solicitar que o boletim diário da Direção-Geral de Saúde seja “credível “, sem dar origem a duplicações ou sonegar números de infectados com o coronavírus, pois “só dessa forma a curva epidémica pode facultar uma interpretação correta e rigorosa”.

Defendendo que é necessário ter em conta os “três i” (identificar casos confirmados, isolar essas pessoas e impedir a escalada descontrolada de contágios), o presidente do CDS-PP apelou a que seja garantido equipamento de proteção nos hospitais e nos lares, para os quais diz ser necessário um plano de contingência para impedir uma “calamidade”.

Relacionadas

Marcelo sobre Estado de Emergência: “Impõe-se manter as medidas de contenção”

O chefe de Estado disse, à saída de uma conferência no Infarmed, que os temas que foram discutidos dão “um fundamento científico reforçado” para um eventual prolongamento do Estado de Emergência. “Importa manter a pressão na mola para que a mola não suba”, sublinhou.

Catarina Martins diz que “é preciso aprofundar apoios sociais” para manter Estado de Emergência

Catarina Martins foi uma das líderes partidárias que falaram no final da segunda sessão de apresentação sobre a “Situação Epidemiológica da Covid-19 em Portugal”, realizada no auditório do Infarmed.
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários