PremiumCDS-PP despede funcionários e pode encerrar instalações

Partido tem rescindido contrato com vários funcionários e está a ponderar encerrar sedes arrendadas ao longo do país. Cortes na subvenção estatal e comparticipações financeiras podem levar dívida dos centristas a aproximar-se dos dois milhões de euros.

O CDS-PP está a alertar as distritais e concelhias para a necessidade de reduzir a despesa corrente e controlar as contas do partido. Em causa está a redução da subvenção estatal e das comparticipações financeiras, a que se junta o saldo negativo nas contas do ano passado. Fonte do partido diz ao JE que as dívidas podem chegar “perto dos dois milhões de euros” este ano, pelo que a direção está a ponderar avançar com o encerramento de sedes alugadas e o despedimento de funcionários.

O JE sabe que nos últimos dias houve rescisões de trabalhadores na sede nacional do CDS-PP – onde também funcionam as estruturas distrital e concelhia de Lisboa – e também no gabinete de apoio ao grupo parlamentar na Assembleia da República, onde os centristas desceram de 18 para apenas cinco deputados. Assessores, secretárias do partido e um motorista com dezenas de anos de trabalho estão de saída, no que alguns dirigentes veem um “ajuste dos custos à nova realidade”. Já os funcionários que se mantiverem em funções, no grupo parlamentar e na sede do partido no Largo do Caldas, sofrerão cortes salariais.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEmpresas nacionais brilham nas tecnologias da educação

JP Inspiring Knowledge, Bi-Bright e ubbu têm uma palavra a dizer na ‘virtualeduca.connect’, que decorre de 21 a 23 de julho, sob o signo do futuro.

PremiumKKR e BlackRock na corrida à Indaqua

O Citi recebeu propostas de compra de quatro fundos, entre eles o KKR e a BlackRock. Avança agora a ‘due-diligence’ para as ofertas vinculativas.

PremiumBarclays contratado para vender Iberwind

A Finerge é uma das empresas interessadas em comprar a Iberwind. Há cinco a disputar o grupo eólico que em 2015 foi comprado por chineses.
Comentários