CEiiA funda rede internacional da ONU para a aceleração de ‘startups’ para a sustentabilidade dos oceanos

As entidades fundadoras selecionadas para a criação desta plataforma foram, além do CEiiA, em Portugal), a Envisible (EUA), o Katapult Ocean, (Noruega) o MIT (EUA), a Sea Ahead (EUA) e a Startup Chile (Chile).

O CEiiA – Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel é uma das entidades ofundadoras do ‘Ocean Accelerator Network United Natios Global Compact’, uma rede internacional de aceleração de ‘startups’ para a sustentabilidade dos oceanos, criada sob a égide das Nações Unidas.

“O ‘United Nations Global Compact (UNGC)’, através da sua plataforma dos oceanos, acaba de criar uma rede internacional de aceleração para promover o desenvolvimento de soluções tecnológicas que fomentem a sustentabilidade dos oceanos. Esta iniciativa que será coordenada pelo UNGC, desenvolverá o seu trabalho durante os próximos 24 meses, com a apresentação dos primeiros resultados previstos para Junho de 2020, durante a Conferência dos Oceanos da ONU que decorrerá, em Lisboa”, destaca um comunicado do CEiiA.

De acordo com esse documento, “os fundadores da Ocean Accelerator Network são entidades que atuam de forma complementar nas áreas de inovação e de tecnologia para a sustentabilidade nos oceanos”.

As entidades fundadoras selecionadas para a criação desta plataforma foram, além do CEiiA, em Portugal), a Envisible (EUA), o Katapult Ocean, (Noruega) o MIT (EUA), a Sea Ahead (EUA) e a Startup Chile (Chile).

“Até ao final de 2019, serão envolvidas mais três entidades: uma entidade do Japão, outra de Singapura e uma entidade da África do Sul”, avança o CEiiA.

Este comunicado adianta que, “nesta rede, o CEiiA terá a responsabilidade pelo processo de desenvolvimento de novos produtos e serviços, enquanto as suas parceiras ficaram com responsabilidades associadas com análise de mercados, identificação de problemas, desenvolvimento de modelos de negócio, entre outras”.

“Ao longo destes 24 meses, esta rede internacional pretende fomentar uma dinâmica de trabalho colaborativo envolvendo empresas, universidades, jovens empreendedores e ‘startups’ em torno do desenvolvimento e implementação de soluções de negócio específicas para os oceanos, tendo por base a sustentabilidade e o cumprimento dos Objetivos de desenvolvimento Sustentável da ONU”, destaca o referido comunicado.

Erik Giercksky, responsável pela plataforma Sustainable Ocean Business da ONU, afirma que “a criação de uma rede internacional de aceleração de inovação é determinante para a ligação do setor privado ao mundo académico e ao universo de empreendedores e startups e que seguramente os esforços conjuntos serão muito interessantes e positivos para um oceano mais sustentável, de acordo
com a Agenda 2030 da ONU”.

Este responsável acrescenta que “o envolvimento do CEiiA será determinante para o êxito desta iniciativa, não só pelas competências de engenharia e desenvolvimento de produto, mas também por um histórico de trabalho colaborativo e de criação de ecossistemas de inovação e na apresentação de resultados disruptivos já na conferência dos Oceanos
de 2020 da ONU, em Lisboa”.

Para José Rui Felizardo, CEO do CEiiA, “a participação na plataforma Sustainable Ocean Business representa o reconhecimento do trabalho do nosso país, e em particular do CEiiA, na área dos oceanos e permitirá criar novas oportunidades de negócio para a tecnologia desenvolvida, em Portugal”.

Ler mais
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários