CEiiA funda rede internacional da ONU para a aceleração de ‘startups’ para a sustentabilidade dos oceanos

As entidades fundadoras selecionadas para a criação desta plataforma foram, além do CEiiA, em Portugal), a Envisible (EUA), o Katapult Ocean, (Noruega) o MIT (EUA), a Sea Ahead (EUA) e a Startup Chile (Chile).

O CEiiA – Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel é uma das entidades ofundadoras do ‘Ocean Accelerator Network United Natios Global Compact’, uma rede internacional de aceleração de ‘startups’ para a sustentabilidade dos oceanos, criada sob a égide das Nações Unidas.

“O ‘United Nations Global Compact (UNGC)’, através da sua plataforma dos oceanos, acaba de criar uma rede internacional de aceleração para promover o desenvolvimento de soluções tecnológicas que fomentem a sustentabilidade dos oceanos. Esta iniciativa que será coordenada pelo UNGC, desenvolverá o seu trabalho durante os próximos 24 meses, com a apresentação dos primeiros resultados previstos para Junho de 2020, durante a Conferência dos Oceanos da ONU que decorrerá, em Lisboa”, destaca um comunicado do CEiiA.

De acordo com esse documento, “os fundadores da Ocean Accelerator Network são entidades que atuam de forma complementar nas áreas de inovação e de tecnologia para a sustentabilidade nos oceanos”.

As entidades fundadoras selecionadas para a criação desta plataforma foram, além do CEiiA, em Portugal), a Envisible (EUA), o Katapult Ocean, (Noruega) o MIT (EUA), a Sea Ahead (EUA) e a Startup Chile (Chile).

“Até ao final de 2019, serão envolvidas mais três entidades: uma entidade do Japão, outra de Singapura e uma entidade da África do Sul”, avança o CEiiA.

Este comunicado adianta que, “nesta rede, o CEiiA terá a responsabilidade pelo processo de desenvolvimento de novos produtos e serviços, enquanto as suas parceiras ficaram com responsabilidades associadas com análise de mercados, identificação de problemas, desenvolvimento de modelos de negócio, entre outras”.

“Ao longo destes 24 meses, esta rede internacional pretende fomentar uma dinâmica de trabalho colaborativo envolvendo empresas, universidades, jovens empreendedores e ‘startups’ em torno do desenvolvimento e implementação de soluções de negócio específicas para os oceanos, tendo por base a sustentabilidade e o cumprimento dos Objetivos de desenvolvimento Sustentável da ONU”, destaca o referido comunicado.

Erik Giercksky, responsável pela plataforma Sustainable Ocean Business da ONU, afirma que “a criação de uma rede internacional de aceleração de inovação é determinante para a ligação do setor privado ao mundo académico e ao universo de empreendedores e startups e que seguramente os esforços conjuntos serão muito interessantes e positivos para um oceano mais sustentável, de acordo
com a Agenda 2030 da ONU”.

Este responsável acrescenta que “o envolvimento do CEiiA será determinante para o êxito desta iniciativa, não só pelas competências de engenharia e desenvolvimento de produto, mas também por um histórico de trabalho colaborativo e de criação de ecossistemas de inovação e na apresentação de resultados disruptivos já na conferência dos Oceanos
de 2020 da ONU, em Lisboa”.

Para José Rui Felizardo, CEO do CEiiA, “a participação na plataforma Sustainable Ocean Business representa o reconhecimento do trabalho do nosso país, e em particular do CEiiA, na área dos oceanos e permitirá criar novas oportunidades de negócio para a tecnologia desenvolvida, em Portugal”.

Ler mais
Recomendadas

Lisboa quer chegar ao fim de 2020 com quatro mil compostores

A instalação de painéis solares para dar energia a automóveis ou o aproveitamento de óleos alimentares para se transformarem em energia para carros que usem combustíveis fósseis foram outras medidas anunciadas pelo vereador Carlos Castro nas 11ªas Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos que estão a decorrer na capital até à próxima segunda-feira.

Ministro da Educação destaca retirada de amianto das escolas mas problema não acabou

O Ministério da Educação removeu “muitos milhares de metros quadrados de placas com amianto” das escolas nos últimos quatro anos, mas o ministro reconhece que ainda há trabalho a fazer.

Zero, MESA e Fenprof lançam petição para remoção total do amianto nas escolas

A associação ambientalista Zero, o MESA – Movimento Escolas Sem Amianto e a Fenprof lançam hoje uma petição pública a exigir a remoção total do amianto nos estabelecimentos de ensino, traçando como objetivo a discussão do documento no parlamento.
Comentários