NOS vende torres de telecomunicações à Cellnex por 550 milhões de euros

NOS vende a subsidiária NOS Towering S.A, empresa que gere as torres de telecomunicações da operadora liderada por Miguel Almeida. O negócio garante à telecom um encaixe imediato de 375 milhões de euros, valor que pode chegar até aos 550 milhões de euros em seis anos. Esta é a segunda aquisição que a Cellnex faz em Portugal em quatro meses. Empresa espanhola poderá investir até 1.350 milhões de euros em Portugal.

Depois de ter adquirido as torres de telecomunicações da OMTEL em janeiro, a espanhola Cellnex comprou as torres de cerca de duas mil torres de telecomunicações à NOS, foi esta terça-feira, 14 de abril, anunciado por ambas as empresas. O negócio garante à telecom portuguesa um encaixe imediato de 375 milhões de euros, um valor que pode chegar até aos 550 milhões de euros em seis anos.

“A NOS SGPS S.A (“NOS”) informa que foi hoje celebrado entre a NOS Comunicações, S.A. e a Cellenex Telecom um acordo que tem por objeto a transmissão à Cellnex das ações representativas da totalidade do capital social da NOS Towering S.A., compreendendo a venda de aproximadamente 2000 sites (torres e rooftops)”, lê-se no comunicado veiculado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com a Cellnex, num comunicado enviado à redação, o negócio incide sob “um portefólio de torres de telecomunicações localizadas em áreas urbanas (40%), suburbanas e rurais (60%)” em Portugal.

O acordo alcançado entre a NOS e a Cellnex prevê também que a empresa espanhola passe a fornecer “serviços de hosting [alojamento] da rede ativa da NOS nas infraestruturas passivas adquiridas, pelo período de 15 anos”. Ou seja, a NOS poderá continuar a utilizar as referidas cerca de duas mil torres para assegurar os seus serviços até 2035, um período de 15 anos que poderá ser renovado automaticamente por períodos iguais, segundo o comunicado ao mercado.

“O impacto esperado no cash flow operacional pro-forma da NOS no primeiro ano é de aproximadamente 22 milhões de euros”, revela a operadora no comunicado enviado à CMVM.

O mesmo acordo prevê que a Cellnex aumente o número de torres de telecomunicações em 400 novos sites, durante os próximos seis anos. No mesmo comunicado que a empresa espanhola enviou, é revelado que a Cellnex fará um investimento de 175 milhões de euros para concretizar a expansão da rede de torres de telecomunicações.

A Cellnex adianta também que, após a integração das cerca de duas mil torres e a instalação de 400 novas, os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) estimados para o grupo serão de “50 milhões de euros”. “Com esta transação, o stock da Cellnex de vendas futuras contratadas aumentará em dois mil milhões de euros, para 46 mil milhões de euros”, adianta a empresa espanhola.

A empresa liderada por Miguel Almeida garante, contudo, que “este acordo permitirá à NOS continuar a otimizar e expandir a sua rede móvel de última geração, reforçando simultaneamente a sua capacidade de investimento na criação do valor de longo prazo para a empresa”.

Para o presidente executivo da NOS, Miguel Almeida, o negócio com a Cellnex “é um passo importante na consolidação” da estratégia NOS, “atual e futura, de investimento na expansão, otimização e melhoria da qualidade de serviço de dados e voz móvel”, lê-se num comunicado da operadora, enviado à redação. “Reforçamos, desta forma, o nosso compromisso em assegurar que capacitamos a nossa operação das condições certas para continuar a ser o natural parceiro das empresas na resposta ao desafio da transformação digital, cada vez mais exigente, e das famílias portuguesas que continuaremos a servir com uma experiência de excelência”, explica o gestor.

Isto é, a alienação das torres de telecomunicações vai permitir à NOS ter mais capital disponível para investir na implementação da rede 5G em Portugal.

A concretização da venda das torres de telecomunicações e do acordo de fornecimentos de serviços da Cellnex à NOS – que teve assessoria do Santander – dependerá, agora, da avaliação e da “não oposição” da Autoridade da Concorrência, que verificará se os referidos acordos respeitam as condições de mercado e de concorrência.

Cellnex investe até 1.350 milhões de euros em Portugal
Ao comprar a NOS Towering, a empresa oriunda da Catalunha e que conta com a família italiana Bennetton entre os seus acionistas passa a operar um total de 61 mil torres de telecomunicações na Europa. No caso do mercado português, depois da compra da OMTEL, que era detida em 25% pela Altice Portugal, a Cellnex reforçou, agora, a aposta em Portugal, “fazendo aumentar o seu investimento no país para 1.175 milhões de euros, o qual pode vir a atingir os 1.350 milhões de euros”, explica o presidente da Cellnex, Tobias Martinez, em comunicado.

Esta operação é a segunda operação que a Cellnex faz em Portugal, num espaço de quatro meses. A primeira operação ocorreu em janeiro, quando a operadora espanhola de infraestruturas de telecomunicações chegou a acordo com a Altice Europe para a aquisição de 100% da OMTEL por 800 milhões de euros.

Portugal é um dos oito países onde a Cellnex atua, integrando o plano de investimentos da empresa espanhol. Até 2027, a Cellnex prevê investir um total de cerca de 12 mil milhões de euros na compra ou construção de torres de telecomunicações, na Europa.

Um plano que já vem de trás. Em dezembro de 2019, a Cellnex comprou 1.500 torres à Orange em Espanha por 260 milhões de euros. Assim a empresa espanhola absorveu torres e antenas  e conseguiu que a empresa de telecomunicações francesa se tornasse seu cliente por um período inicial de dez anos, prorrogável por outros dez anos e depois por períodos consecutivos de um ano caso seja essa a opção da Orange.

Em outubro desse ano, a Cellnex anunciou o acordo para adquirir a divisão de infraestruturas de telecomunicações da empresa inglesa Arqiva. Já em setembro comprara a Cignal, na Irlanda, um dos principais operadores irlandeses de infraestruturas de telecomunicações, por um total de 210 milhões de euros. No verão de 2019, a empresa espanhola comprou os direitos de exploração e comercialização de 220 torres da BT no Reino Unido.

Nos primeiros seis meses de 2019, a Cellnex assinou acordos de colaboração estratégica a longo prazo com a Iliad – em França e em Itália – e com a Salt na Suíça para adquirir 10.700 infraestruturas (5.700 em França, 2.200 em Itália e 2.800 na Suíça) e levar a cabo um programa de construção (BTS) de 4.000 novas infraestruturas até 2027 (2.500 em França e 1.000 em Itália para a Iliad, e 500 para a Salt na Suíça). Com um investimento total previsto de quase 4.000 milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

Cellnex entra em Portugal ao comprar torres de telecomunicações da OMTEL por 800 milhões de euros

A OMTEL controla três mil infraestruturas de telecomunicações em Portugal, cerca de 25% das torres de telecomunicações do mercado nacional. A empresa espanhola paga 200 milhões à Altice Europe pela participação de 25% da Altice Portugal na empresa. Portugal passa a ser o oitavo país da Europa onde a Cellnex tem atividade.

Santander foi o assessor da NOS na venda das torres de telecomunicações à Cellnex

Foi a terceira operação de venda de torres de telecomunicações a nível global que o departamento de fusões e aquisições do Santander prestou assessoria financeira nos últimos quatro meses.
Recomendadas

Marques Mendes: Governo está a demorar muito tempo a decidir sobre a TAP

O comentador político diz que a solução para a TAP no imediato vai passar por um empréstimo público ou um empréstimo privado com garantia de Estado, apontando que o Estado não vai integrar a Comissão Executiva, mas que os “poderes do Conselho de Administração serão reforçados”.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

Centros comerciais vão reabrir amanhã à exceção da Área Metropolitana de Lisboa

Dos 94 centros comerciais associados da APCC, 35 são na Área Metropolitana de Lisboa, representando cerca de 50% do emprego deste subsetor de atividade.
Comentários