Cellnex entra em Portugal ao comprar torres de telecomunicações da OMTEL por 800 milhões de euros

A OMTEL controla três mil infraestruturas de telecomunicações em Portugal, cerca de 25% das torres de telecomunicações do mercado nacional. A empresa espanhola paga 200 milhões à Altice Europe pela participação de 25% da Altice Portugal na empresa. Portugal passa a ser o oitavo país da Europa onde a Cellnex tem atividade.

A Cellnex entra no mercado de telecomunicações português depois de chegar a acordo com a Altice Europe para a aquisição de 100% da empresa operadora de infraestruturas de telecomunicações OMTEL por 800 milhões de euros, foi esta quinta-feira anunciado. Portugal passa a ser o oitavo país da Europa onde a empresa catalã opera.

Fruto da operação, a empresa espanhola vai pagar 200 milhões de euros à Altice Europe pela participação de 25% da Altice Portugal na OMTEL. A OMTEL é a empresa que a Altice vendeu, em setembro de 2018, ao consórcio Belmont Infra Holding’s (inclui a Horizon Equity Partners de Pires de Lima e Sérgio Monteiro e o o fundo de infraestruturas da Morgan Stanley, o mesmo que adquiriu parte do negócio da fibra ótica da Altice em Portugal) por 660 milhões de euros. À época, a dona da Meo reinvestiu 108,8 milhões de euros para garantir 25% do controlo das três mil torres de telecomunicações

A Cellnex chegou agora a acordo com a Altice e com o consórcio Belmont Infra Holding’s, com o acordo a contemplar a instalação de 400 novas infraestruturas em Portugal nos próximos quatro anos. Com a implementação da quinta geração móvel (5G) no país, o plano de construção de novas torres pode vir a ser reforçado com a contrução de outras 350 infraestruturas até 2027. Ou seja,  a Cellenex pagou 800 milhões por três mil torres garantindo a possibilidade de instalar mais 750 em menos de uma década.

“O investimento estimado para o plano do construção [contratado e previsto] é de 140 milhões de euros”, de acordo com o comunicado da Cellnex.

Atualmente, a OMTEL detém contratos com uma duração média de vinte anos com períodos adicionais de cinco anos, sendo a antiga Portugal Telecom o principal cliente. Por isso, a empresa espanhola terá na Altice um parceiro estratégico a longo prazo em Portugal.

Com o 5G a despontar na União Europeia, esta operação é mais um movimento da Cellnex para reforçar as suas operações e influência no mercado telco. No caso do mercado português, a Cellnex ambiciona ser o “operador neutro e independente” que a densificação e desenvolvimento eficiente da rede 5G exige, tendo o objetivo de apresentar “soluções atrativas para os operadores de rede móvel, tanto na perspetiva de custos como na rapidez de execução”.

Reforço da operação e portefólio
A concretização desta operação, eleva as vendas futuras contratadas da Cellnex em 2,5 mil milhões de euros, para um total de 38,5 mil milhões. A empresa oriunda da Catalunha e que conta com a família italiana Bennetton entre os seus acionistas, ao comprar a OMTEL passa a operar um total de 58 mil torres de telecomunicações na Europa.

Esta operação é a primeira do género em 2020 para a Cellnex, sendo que esta empresa tem mais operações em vista. Isto porque a Cellnex tem previsto o investimento total de cerca de 12 mil milhões de euros na compra ou construção de torres de telecomunicações até 2027. O ano de 2019 é exemplar, quando a empresa espanhola conseguiu adquirir vários ativos e empresas tendo em vista o reforço do seu portefólio e da sua operação na Europa.

A última operação fora anunciada em dezembro, quando a Cellnex comprou 1.500 torres à Orange em Espanha por 260 milhões de euros. Assim a empresa espanhola absorveu torres e antenas  e conseguiu que a empresa de telecomunicações francesa se tornasse seu cliente por um período inicial de dez anos, prorrogável por outros dez anos e depois por períodos consecutivos de um ano caso seja essa a opção da Orange.

Em outubro, a Cellnex anunciou o acordo para adquirir a divisão de infraestruturas de telecomunicações da empresa inglesa Arqiva. Já em setembro comprara a Cignal, na Irlanda, um dos principais operadores irlandeses de infraestruturas de telecomunicações, por um total de 210 milhões de euros. No verão de 2019, a empresa espanhola comprou os direitos de exploração e comercialização de 220 torres da BT no Reino Unido.

Nos primeiros seis meses do ano passado, a Cellnex assinou acordos de colaboração estratégica a longo prazo com a Iliad – em França e em Itália – e com a Salt na Suíça para adquirir 10.700 infraestruturas (5.700 em França, 2.200 em Itália e 2.800 na Suíça) e levar a cabo um programa de construção (BTS) de 4.000 novas infraestruturas até 2027 (2.500 em França e 1.000 em Itália para a Iliad, e 500 para a Salt na Suíça). Com um investimento total previsto de quase 4.000 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Ensaios iniciais da Johnson & Johnson mostram resposta imune em 98% dos participantes

O fármaco, disponível no formato de uma ou duas tomas, já avançou esta semana para a fase 3 dos ensaios clínicos, pelo que os especialistas avisam que estes resultados preliminares ainda são de interpretação limitada.

Montepio entrega plano de transformação aos trabalhadores dia 6. Previstas entre 600 a 900 saídas

Plano de transformação do Banco Montepio entregue aos trabalhadores dia 6 outubro e prevê a saída de, pelo menos, 600 pessoas, e um máximo de 900, através de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo. Já estão identificados 37 balcões para encerrar, estando mais cerca de 40 em equação.

Regulador europeu pede fim da suspensão do Boeing 737 Max

“Pela primeira vez em ano e meio, posso dizer que o trabalho com o 737 Max está quase a terminar”, apontou Patrick Ky, diretor executivo da Agência de Segurança de Aviação da União Europeia (EASA, sigla inglesa).
Comentários