Centenário ISCAL renova imagem para chegar aos mais jovens

A nova identidade surge no seguimento da marca comemorativa ISCAL260 e é também parte da estratégia de comunicação alargada, cujos vetores passam por afirmar o ADN do centenário instituto: “tradição, mérito e excelência”.

Neste início de ano letivo, a nova identidade do ISCAL projeta-se logo à entrada no edifício que acolhe estudantes, docentes e funcionários nas Avenidas Novas em Lisboa. A imagem surge no seguimento da marca comemorativa ISCAL260 e é também parte da estratégia de comunicação alargada, cujos vetores passam por afirmar o ADN do centenário instituto: “tradição, mérito e excelência”.

Além das cores escolhidas, a alteração do grafismo procurou trazer destaque à oferta formativa e ao binónimo antiguidade/modernidade. Legítimo herdeiro da Aula de Comércio, criada em 19 de Maio de 1759 pelo Marquês de Pombal, o ISCAL é indissociável da cidade de Lisboa. Para aí remetem as imagens de fundo dando força a uma ideia de “centralidade e modernidade”, sem esquecer a memória histórica dos monumentos e locais emblemáticos da capital.

A descrição da oferta formativa em língua inglesa vai ao encontro da estratégia de internacionalização do ISCAL, procurando uma maior visibilidade junto de estudantes e parceiros internacionais.

Já a oferta formativa ocupa a mensagem central da entrada do edifício, remetendo para a ideia de excelência de ensino.

Complementarmente, as portas do edifício apresentam linhas coloridas onde se podem identificar locais marcantes de Lisboa, na continuação da ideia anterior, na qual o ISCAL assume um papel fundamental no estudo das ciências empresariais da cidade.

“Pretende-se com esta nova imagem destacar uma identidade mais sóbria e simultaneamente apelativa, quer ao público mais jovem – os estudantes que fazem ou poderão fazer parte da Instituição, quer a um público mais genérico, que identifique a imagem do ISCAL em qualquer meio onde esta seja divulgada”, explica Pedro Pinheiro, vice presidente e docente do ISCAL.

Ler mais
Recomendadas

Despesas aumentam e receitas caem. Coronavírus custa 13,8 milhões aos politécnicos

Incumprimento nas propinas cresceu com a pandemia e as dificuldades das famílias, o que se traduz numa quebra significativa das receitas próprias das instituições, cuja tesouraria está sob pressão. Politécnicos negoceiam planos de pagamento com alunos.

Plano de Resiliência pode ser “excelente oportunidade” para modernizar universidades

Os reitores António Sousa Pereira e António Fontainhas Fernandes, presidente do CRUP e presidente cessante, disseram aos deputados que o alojamento estudantil e as instalações das universidades estão carentes de investimento e o Plano é o lugar certo para incorporar soluções para tão graves problemas.

Eurekathon. Concurso vai desafiar tecnológicas a arranjar soluções para o combate a fome

O ponto de partida desta competição passa por mostrar como a tecnologia pode e deve ser colocada ao serviço de um bem maior, contribuindo para a transformação das pessoas, das organizações e da sociedade como um todo.
Comentários