Centeno: “É indispensável à União Monetária ter união bancária e dos mercados de capitais”

O ministro das Finanças participou no último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, onde afirmou que é necessária paciência, mas também ação para reforçar a integração europeia.

Cristina Bernardo

Completar a União Monetária na zona euro é um projeto de longo-prazo, para o qual é necessário paciência, segundo Mário Centeno. No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo sublinhou a importância da união bancária e da integração dos mercados de capitais para o projeto europeu.

“Quando olhamos para a Europa, temos definitivamente de pensar em aprofundar a União Monetária, que é muito importante para prevenir crises futuras e preparar-nos para tratar dessas crises, no futuro”, afirmou o ministro, num debate sobre o crescimento da Europa, com o economista e investigador da Bruegel, André Sapir.

“Para completar a União Monetária, é indispensável haver uma união bancária e dos mercados de capitais”, continuou, lembrando que a crise ensinou a Portugal que é vulnerável no que diz respeito ao acesso aos mercados de dívida. Na altura, um dos mais avanços ao nível da integração europeia – a integração financeira – ficou fragmentada, segundo Centeno.

“Não cometamos erros: a união bancária é um grande projeto e temos de ser pacientes ao implementá-lo”, disse o ministro. Defendeu que “muito já foi feito”, referindo-se ao papel do Banco Central Europeu (BCE) na supervisão dos bancos e ao Mecanismo Europeu de Supervisão. “Mas não é suficiente. E é neste ponto que nos encontramos”.

Segundo Mário Centeno, os mais importantes pontos em falta para avançar a integração europeia a nível monetário, passam pelo backspot para o Mecanismo Europeu de Resolução bem como o Esquema de Segurança de Depósitos, assuntos sobre os quais há discussões em aberto há vários meses. “Todos compreendemos que demora tempo, mas temos de começar já”, acrescentou.

Relacionadas

Centeno: “Se não tivermos paciência, não podemos pensar a longo prazo”

No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo defendeu que são necessárias reformas nos países da zona euro.

Dos incêndios ao Lehman, há debates toda esta semana sobre a ‘Economia Viva’ na Nova

A terceira edição anual do ciclo de conferências Economia Viva, organizada pelo Clube de Economia e a Associação de Estudantes da Universidade Nova, decorre de 19 a 23 de fevereiro no ‘campus’ de Campolide.

União bancária: Centeno espera “decisões concretas” em junho

“Depois de ter estado focado, durante muitos anos, na gestão de crises, o Eurogrupo pode finalmente virar todas as suas atenções para o processo de completar a arquitetura da UEM”, realçou o presidente do Eurogrupo.
Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários