Centeno: “É indispensável à União Monetária ter união bancária e dos mercados de capitais”

O ministro das Finanças participou no último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, onde afirmou que é necessária paciência, mas também ação para reforçar a integração europeia.

Cristina Bernardo

Completar a União Monetária na zona euro é um projeto de longo-prazo, para o qual é necessário paciência, segundo Mário Centeno. No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo sublinhou a importância da união bancária e da integração dos mercados de capitais para o projeto europeu.

“Quando olhamos para a Europa, temos definitivamente de pensar em aprofundar a União Monetária, que é muito importante para prevenir crises futuras e preparar-nos para tratar dessas crises, no futuro”, afirmou o ministro, num debate sobre o crescimento da Europa, com o economista e investigador da Bruegel, André Sapir.

“Para completar a União Monetária, é indispensável haver uma união bancária e dos mercados de capitais”, continuou, lembrando que a crise ensinou a Portugal que é vulnerável no que diz respeito ao acesso aos mercados de dívida. Na altura, um dos mais avanços ao nível da integração europeia – a integração financeira – ficou fragmentada, segundo Centeno.

“Não cometamos erros: a união bancária é um grande projeto e temos de ser pacientes ao implementá-lo”, disse o ministro. Defendeu que “muito já foi feito”, referindo-se ao papel do Banco Central Europeu (BCE) na supervisão dos bancos e ao Mecanismo Europeu de Supervisão. “Mas não é suficiente. E é neste ponto que nos encontramos”.

Segundo Mário Centeno, os mais importantes pontos em falta para avançar a integração europeia a nível monetário, passam pelo backspot para o Mecanismo Europeu de Resolução bem como o Esquema de Segurança de Depósitos, assuntos sobre os quais há discussões em aberto há vários meses. “Todos compreendemos que demora tempo, mas temos de começar já”, acrescentou.

Relacionadas

Centeno: “Se não tivermos paciência, não podemos pensar a longo prazo”

No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo defendeu que são necessárias reformas nos países da zona euro.

Dos incêndios ao Lehman, há debates toda esta semana sobre a ‘Economia Viva’ na Nova

A terceira edição anual do ciclo de conferências Economia Viva, organizada pelo Clube de Economia e a Associação de Estudantes da Universidade Nova, decorre de 19 a 23 de fevereiro no ‘campus’ de Campolide.

União bancária: Centeno espera “decisões concretas” em junho

“Depois de ter estado focado, durante muitos anos, na gestão de crises, o Eurogrupo pode finalmente virar todas as suas atenções para o processo de completar a arquitetura da UEM”, realçou o presidente do Eurogrupo.
Recomendadas

Marta Temido: Parecer da PGR diz que greve dos enfermeiros é “ilícita”

Ministério da Saúde reagiu em conferência de imprensa ao parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR), pedido em janeiro, que diz que greve cirúrgica é ilegal.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.

Carlos Moedas defende critérios para o investimento estrangeiro na Europa

Carlos Moedas destaca que o investimento chinês na Europa cresceu 600% entre 1995 e 2015, “com claras implicações na distribuição de poder a nível internacional”.
Comentários