Centeno: “É indispensável à União Monetária ter união bancária e dos mercados de capitais”

O ministro das Finanças participou no último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, onde afirmou que é necessária paciência, mas também ação para reforçar a integração europeia.

Cristina Bernardo

Completar a União Monetária na zona euro é um projeto de longo-prazo, para o qual é necessário paciência, segundo Mário Centeno. No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo sublinhou a importância da união bancária e da integração dos mercados de capitais para o projeto europeu.

“Quando olhamos para a Europa, temos definitivamente de pensar em aprofundar a União Monetária, que é muito importante para prevenir crises futuras e preparar-nos para tratar dessas crises, no futuro”, afirmou o ministro, num debate sobre o crescimento da Europa, com o economista e investigador da Bruegel, André Sapir.

“Para completar a União Monetária, é indispensável haver uma união bancária e dos mercados de capitais”, continuou, lembrando que a crise ensinou a Portugal que é vulnerável no que diz respeito ao acesso aos mercados de dívida. Na altura, um dos mais avanços ao nível da integração europeia – a integração financeira – ficou fragmentada, segundo Centeno.

“Não cometamos erros: a união bancária é um grande projeto e temos de ser pacientes ao implementá-lo”, disse o ministro. Defendeu que “muito já foi feito”, referindo-se ao papel do Banco Central Europeu (BCE) na supervisão dos bancos e ao Mecanismo Europeu de Supervisão. “Mas não é suficiente. E é neste ponto que nos encontramos”.

Segundo Mário Centeno, os mais importantes pontos em falta para avançar a integração europeia a nível monetário, passam pelo backspot para o Mecanismo Europeu de Resolução bem como o Esquema de Segurança de Depósitos, assuntos sobre os quais há discussões em aberto há vários meses. “Todos compreendemos que demora tempo, mas temos de começar já”, acrescentou.

Relacionadas

Centeno: “Se não tivermos paciência, não podemos pensar a longo prazo”

No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo defendeu que são necessárias reformas nos países da zona euro.

Dos incêndios ao Lehman, há debates toda esta semana sobre a ‘Economia Viva’ na Nova

A terceira edição anual do ciclo de conferências Economia Viva, organizada pelo Clube de Economia e a Associação de Estudantes da Universidade Nova, decorre de 19 a 23 de fevereiro no ‘campus’ de Campolide.

União bancária: Centeno espera “decisões concretas” em junho

“Depois de ter estado focado, durante muitos anos, na gestão de crises, o Eurogrupo pode finalmente virar todas as suas atenções para o processo de completar a arquitetura da UEM”, realçou o presidente do Eurogrupo.
Recomendadas

Bruxelas dá luz verde a aumentos das ajudas estatais à restauração e comércio para 1,2 mil milhões de euros

A Comissão Europeia autorizou um aumento do orçamento total, de 750 milhões de euros para 1,2 mil milhões de euros das medidas “Apoiar.Pt” e “Apoiar Restauração”, bem como do montante máximo que pode ser concedido por beneficiário. O programa “Apoiar Rendas” também foi aprovado pelo executivo comunitário.

Endividamento do sector não financeiro chegou aos 742 mil milhões em novembro

O sector público viu um crescimento de 1,4 mil milhões de euros no seu endividamento, quando comparado com outubro, enquanto que o privado verifica 0,7 mil milhões a mais. A variação total do endividamento no sector não financeiro foi, assim, de 2,1 mil milhões de euros.

Financiamento das administrações públicas sobe para 10,3 mil milhões de euros até novembro

O regulador bancário explica que desde o início do ano e até novembro, as administrações públicas financiaram-se junto de bancos residentes em 10,7 mil milhões de euros e junto do exterior em 0,5 mil milhões de euros.
Comentários