Centeno: “É o primeiro programa num contexto de verdadeira estabilidade”

Ministro das Finanças salientou que Portugal tem “contas equilibradas”, depois do processo de consolidação orçamental que dos últimos anos. “Essas contas permitem que se projete uma continuação da redução do peso da dívida pública que cairá para valores inferiores a 100% do PIB”, acrescentou.

O ministro das Finanças disse que o Programa de Estabilidade 2019-2021, apresentado esta segunda-feira, é o “primeiro programa num contexto de verdadeira estabilidade”. Mário Centeno assegurou ainda que Portugal está preparado para enfrentar as incertezas globais.

“Todos estes indicadores sustentam o amanhã, sustentam a projeção que apresentamos hoje no Programa de Estabilidade. É o primeiro programa desta natureza que é apresentado num contexto de verdadeira estabilidade”, disse Mário Centeno, em conferência de imprensa.

Centeno destacou que se projeta um saldo orçamental próximo do equilíbrio para este ano, mantendo a estimativa do Governo de défice de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano. Na atualização do cenário macroeconómico a cinco anos, o Executivo projeta ainda um excedente orçamental a partir do próximo ano, de 0,3%.

O ministro da tutela realçou ainda a trajetória descendente da dívida pública. “A partir de 2020 a dívida pública em termos nominais cai. Não apenas em percentagem do PIB, mas em termos de valores absolutos”, disse.

“Os pilares daquilo que é e será a economia portuguesa no futuro não se constrói hoje. Tem vindo a ser construído ao longo dos últimos quatro anos”, disse.

Questionado sobre qual a segurança que os investidores podem ter de que Portugal entrou numa fase de estabilidade, o ministro das Finanças disse que “o melhor certificado da segurança orçamental em Portugal são os últimos três anos. Este é um processo que tem um valor absolutamente inestimável para o futuro de Portugal”.

“Era possível alterar o conjunto de políticas em Portugal cumprindo todos os objetivos a que o país se propunha”, referiu. Centeno assegurou ainda que o país “está preparado para enfrentar os riscos e as incertezas que se colocam a nível global”.

“É visto internacionalmente como um país que vive em estabilidade orçamental e económica”, referiu, destacando que o país atingiu “um porto de abrigo e segurança, impensável há três anos”.”Devemos estar preparados para ter ambição, mas ter a exata medida em que essa ambição se coloca”, acrescentou.

(Atualizada)

Ler mais
Relacionadas

Governo quer dívida pública a cair para 99,6% até 2023

Governo revê em ligeira alta a estimativa da dívida pública deste ano no Programa de Estabilidade 2019-2021. No entanto, projeta uma queda do peso da dívida abaixo dos 100% até 2023.

Governo mantém estimativa do défice de 0,2% para este ano e excedente a partir de 2020

No Programa de Estabilidade 2019-2021 o governo não revê a meta de 0,2% para o défice inscrita no Orçamento do Estado para 2019. Executivo projeta excedente de 0,3% para o próximo ano.

É oficial: Governo revê em baixa crescimento da economia para 1,9% este ano

No Programa de Estabilidade 2019-2023, o Governo atualizou as metas de crescimento do PIB.
Recomendadas

Jorge Mendes já vendeu mais de mil milhões em jogadores de clubes portugueses. Comissões superam os 100 milhões

O superagente está envolvido na transferência de João Félix para o Atlético de Madrid que poderá atingir os 120 milhões de euros.

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.
Comentários