Centeno: “Se não tivermos paciência, não podemos pensar a longo prazo”

No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo defendeu que são necessárias reformas nos países da zona euro.

Cristina Bernardo

Dois meses depois de ter assumido funções como presidente do Eurogrupo, Mário Centeno diz não ter dúvidas que o crescimento económico é o presente, mas também o futuro da zona euro. No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo afirmou que são, no entanto, necessárias reformas no bloco.

“A economia da zona euro cresce há 19 trimestres consecutivos, o que são quase cinco anos”, disse Mário Centeno, acrescentando que até o país mais afetado pela crise, a Grécia está a recuperar. No entanto, sublinhou que “precisamos de reformas, de procura, de oferta e de paciência”.

Num debate com o economista e investigador da Bruegel, André Sapir, sobre o futuro europeu, o ministro afirmou que “se não tivermos paciência, nunca poderemos pensar a longo-prazo”.

“O crescimento tem de ser sustentável nos próximos anos, temos de garantir que nos tempos bons construímos almofadas orçamentais e que aumentamos a produtividade”, disse Centeno, acrescentando que vê “espaço para melhorar as políticas orçamentais na Europa”.

Da mesma forma, André Sapir disse que “após a crise, podemos finalmente falar de crescimento a longo prazo”, sublinhando a importância de aplicar mecanismo que assegurem a sustentabilidade das dívidas soberanas do bloco europeu a longo-prazo.

Relacionadas

Centeno: “É indispensável à União Monetária ter união bancária e dos mercados de capitais”

O ministro das Finanças participou no último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, onde afirmou que é necessária paciência, mas também ação para reforçar a integração europeia.
Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários