Centeno: “Só em 2015 o Fundo de Resolução entrou para o perímetro das administrações públicas”

“A questão sobre o impacto para os contribuintes tem a mesma interpretação hoje que tinha em 2017”, disse o ex-ministro das Finanças.

Mário Cruz/Lusa

Tal como tinha revelado esta segunda-feira, Carlos Costa, o antecessor no Banco de Portugal de Mário Centeno, o atual Governador disse, em resposta ao deputado do PSD, Alberto Fonseca, que “até 2015 o Fundo de Resolução não estava no perímetro da administração pública e entrou nessa altura porque o fundo estava insolvente”. Foi essa a base da decisão do INE, explicou.

Já ontem, Carlos Costa disse que a 3 de agosto de 2014 o Fundo de Resolução não estava no perímetro das administrações públicas. Esse perímetro é definido depois.

Centeno lembrou que o que tem impacto nas contas públicas, desde que o Instituto Nacional de Estatística (INE) pôs o FdR no perímetro da administração pública, é a injeção de capital do FdR no Novo Banco e não o empréstimo do Estado previsto no Acordo-Quadro.

“A questão sobre o impacto para os contribuintes tem a mesma interpretação hoje que tinha em 2017”, disse o ex-ministro das Finanças.

O Governador do Banco de Portugal disse ao deputado que este mecanismo “tem a vantagem de ser neutro do ponto de vista orçamental”, tal como foi assumido por todos os estados-membros quando este tipo de mecanismo também foi criado no contexto europeu — o Mecanismo Único de Resolução.

Já na intervenção inicial, Centeno tinha dito que a resolução bancária é o mecanismo que permite garantir que os custos com a intervenção no sistema bancário seguem o principio da neutralidade orçamental e protegem os contribuintes. “Este ano, os 27 países da União Europeia ratificaram uma alteração ao Tratado do Mecanismo Europeu de Estabilidade que garante a neutralidade orçamental (a médio/longo prazo) sempre que o MEE tenha que financiar a resolução de bancos na União Europeia. E garante-o da mesma forma como o FdR assegurou o financiamento da resolução do BES, com empréstimos dos bancos e do Tesouro”, defendeu.

O deputado do PSD perguntou a Mário Centeno sobre se existia alguma expectativa no momento da venda da utilização do mecanismo de capital contingente (que tem o limite de 3,89 mil milhões).

Centeno disse que o Ministério das Finanças não fazia estimativas, “nem tinha meios para isso, mas o cenário central da Comissão Europeia e esse cenário passou a ser o de referência era 3.300 milhões de euros”, em outubro de 2017. O PSD recordou que no cenário adverso a estimativa da Comissão Europeia era de 3.900 milhões de euros.

Relacionadas

Centeno: “Só há injeção de capital no Novo Banco se houver perdas dos ativos” abrangidos pelo mecanismo

Mário Centeno invoca o custo da nacionalização do BPN para comparar com o mecanismo de capitalização contingente que tem um tecto para as perdas a assumir. Já antes Luís Máximo dos Santos tinha dito que a nacionalização do BPN e a resolução do Banif, foram muito mais caras do que a resolução do BES.
Recomendadas

Banco digital francês Nickel alia-se à CCP para ter “balcões” nas lojas de rua (com áudio)

“Nesta área, em que é preciso o consumidor ter confiança no interlocutor para pôr e tirar de lá dinheiro, o perfil deste comércio pode impulsionar este projeto e aproveitar o potencial para criar oportunidades para os pontos de venda”, diz João Vieira Lopes ao JE.

Banco do Brasil com aumento de 52% nos lucros no primeiro semestre (com áudio)

O Banco do Brasil anunciou na quarta-feira um lucro líquido de 9,75 mil milhões de reais (1,58 mil milhões de euros) no primeiro semestre do ano, um aumento de 52% em comparação com o mesmo período em 2020.

Banco italiano Intesa Sanpaolo sobe lucros para 3.023 milhões no primeiro semestre

As receitas ascenderam a 10.674 milhões de euros, mais 1,7% em comparação com os 10.494 milhões de euros obtidos no primeiro semestre de 2020, e os custos foram de 5.255 milhões de euros, menos 2,7%
Comentários