Central hidroelétrica inovadora da EDP na Venda Nova ganha prémios internacionais

Central hidroelétrica Frades II, da EDP, foi distinguida com dois prémios internacionais de renome pela tecnologia implementada, inovação, rentabilidade e fiabilidade.

A central hidroeléctrica da EDP, Frades II, na Venda Nova foi distinguida com dois prémios internacionais, tendo vencido o prémio “VGP Quality Award 2018” da Associação Internacional de Produtores de Energia e o prémio “Top Plant 2018″, atribuído pela Power Magazine.

Segundo o site da EDP, o reforço da potência da central hidroeléctrica Frades II ganhou o prémio “VGB Quality Award 2018” que “reconhece projetos de elevada qualidade a nível mundial”. Este prémio, atribuído no passado dia 12 de setembro durante a sessão de abertura do congresso anual da VGB, em Munique, foi concedido à EDP e ao consórcio Voith Hydro e Siemens Portugal, que forneceu os equipamentos.

“O projeto Frades II destaca-se pela elevada potência das máquinas instaladas e pela inovação tecnológica que representam, tratando-se de máquinas assíncronas de velocidade variável”, lê-se na página da internet da EDP. “Esta é a única central da Península Ibérica, e das poucas na Europa, equipada com grupos de velocidade variável” e são “os mais potentes da Europa e dos maiores a nível mundial”.

Também a revista especializada “Power Magazine” atribui à central hidroeléctrica o prémio “Top Plant 2018”, na categoria de renováveis.

Recomendadas

Respostas Rápidas: Quem é Paul Singer, o novo acionista da EDP?

Paul Singer adora comprar ativos problemáticos. Ganhou o gosto no final dos anos 70 quando constituiu o fundo para gerir o património da família. Já ganhou e perdeu milhões em todo o mundo, incluindo Portugal.

Glovo celebra primeiro aniversário com entregas a 1 euro

A startup espanhola celebra o seu primeiro ano de atividade, e como recompensa, todas as entregas de restaurantes realizadas durante esse dia terão um custo de 1 euro.

Paul Singer, CEO da norte-americana Elliott Management, compra 2,29% da EDP

A Elliott Management é conhecida por investir em ‘distressed assets’, e o histórico da gestora passa pela aposta na quedas das ações da PT em 2014 e uma longa luta para recuperar o investimento em obrigações Argentinas após o ‘default’ de 2002.
Comentários