Central hidroelétrica inovadora da EDP na Venda Nova ganha prémios internacionais

Central hidroelétrica Frades II, da EDP, foi distinguida com dois prémios internacionais de renome pela tecnologia implementada, inovação, rentabilidade e fiabilidade.

A central hidroeléctrica da EDP, Frades II, na Venda Nova foi distinguida com dois prémios internacionais, tendo vencido o prémio “VGP Quality Award 2018” da Associação Internacional de Produtores de Energia e o prémio “Top Plant 2018″, atribuído pela Power Magazine.

Segundo o site da EDP, o reforço da potência da central hidroeléctrica Frades II ganhou o prémio “VGB Quality Award 2018” que “reconhece projetos de elevada qualidade a nível mundial”. Este prémio, atribuído no passado dia 12 de setembro durante a sessão de abertura do congresso anual da VGB, em Munique, foi concedido à EDP e ao consórcio Voith Hydro e Siemens Portugal, que forneceu os equipamentos.

“O projeto Frades II destaca-se pela elevada potência das máquinas instaladas e pela inovação tecnológica que representam, tratando-se de máquinas assíncronas de velocidade variável”, lê-se na página da internet da EDP. “Esta é a única central da Península Ibérica, e das poucas na Europa, equipada com grupos de velocidade variável” e são “os mais potentes da Europa e dos maiores a nível mundial”.

Também a revista especializada “Power Magazine” atribui à central hidroeléctrica o prémio “Top Plant 2018”, na categoria de renováveis.

Recomendadas

Odebrecht chega a acordo com Justiça peruana no âmbito da investigação Lava Jato

Construtora brasileira prometeu pagar cerca de 161 milhões de euros, além dos custos jurídicos adicionais.

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).

Lucros da Semapa sobem quase 7% para mais de 130 milhões de euros

Os lucros atribuíveis aos acionistas atingiu os 132,6 milhões de euros, o que, face a 2017, representa um aumento de 6,8%. Entre os diferentes segmentos de negócio, foi a pasta e papel foi que mais contribuiu para o crescimento do EBITDA da holding, com 455,2 milhões de euros, o que representa um crescimento de 12,7% face a 2017.
Comentários