Centros comerciais, retalho e restauração reforçam medidas para reabertura “com total confiança”

As três associações APED, APCC e AHRESP garantem que estão reunidas todas as condições para a salvaguarda da saúde pública e da segurança dos seus clientes, fornecedores e trabalhadores para a reabertura destes espaços comerciais prevista para 19 de abril próximo.

Os centros comerciais, o sector nacional do retalho e a restauração asseguram que estão a reforçar as medidas para a reabertura, prevista para o próximo dia 19 de abril, “com total confiança”.

Num comunicado conjunto, “a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), a Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) e a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) garantem que os centros comerciais reúnem todas as condições para a reabertura no próximo dia 19 de abril, assegurando as condições de higiene para a salvaguarda da saúde pública e a segurança dos seus clientes, fornecedores e trabalhadores”.

“Os operadores dos centros comerciais reforçaram ainda mais as exigentes regras sanitárias com o objetivo de responder à expectável afluência de consumidores, depois de um longo período encerrados”, garante o referido comunicado.

O mesmo documento acrescenta que “a forma como os associados da APCC, da APED e da AHRESP prepararam os seus espaços e equipas para a reabertura são a melhor garantia de que as lojas e os estabelecimentos de restauração e similares são locais seguros que merecem a confiança dos consumidores”.

“Houve um esforço acrescido na formação e testagem de colaboradores e um reforço, entre outros, no que aos equipamentos de proteção individual e barreiras de proteção diz respeito”, assegura o mesmo comunicado, adiantando que “a experiência adquirida com a reabertura anterior alicerçada nos ‘Guias de Boas Práticas’, agora revistos e validados pela Direção Geral de Saúde, mostra bem a forma responsável, exigente e rigorosa como a segurança e higiene pública são encaradas pela AHRESP, pela APED e pela APCC”.

O comunicado conjunto destas três associações conclui que “o conhecimento técnico partilhado entre as três associações contribuirá para que as empresas que funcionam nos centros comerciais iniciem esta nova fase de desconfinamento da melhor forma, garantindo a segurança de todos”.

Ler mais
Recomendadas

Depois da polémica com barragens, Governo anuncia investimentos de 90 milhões em Trás-os-Montes

O ministro do Ambiente anunciou investimentos – financiados pelo Orçamento do Estado, fundos europeus e Fundo Ambiental – para os 10 municípios transmontanos onde ficam localizadas as barragens vendidas pela EDP a um consórcio francês. Movimento Terras de Miranda tem exigido o pagamento de 110 milhões de euros por esta transação no valor de 2,2 mil milhões de euros.
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.
Comentários