Centros de saúde não atendem telefones. Há 1.237 reclamações na Entidade Reguladora da Saúde

O Jornal de Notícias noticia este domingo que as 2.000 centrais telefónicas, os 30 mil telefones e outros tantos telemóveis para melhorar o atendimento à distância tardam a chegar aos centros de saúde, lançando milhares de utentes no desespero.

Desde o início do ano até 18 de setembro deram entrada na Entidade Reguladora da Saúde 1.237 reclamações sobre os constrangimentos no atendimento telefónico e na confirmação prévia dos agendamentos, revela este domingo, 27 de setembro, o Jornal de Notícias.

As queixas referem-se aos centros de saúde que dependem das cinco administrações regionais de saúde, esclarece a ERS em resposta ao JN.

“O problema que há meses afeta os cuidados primários, e que já foi reconhecido pela tutela, está longe de estar resolvido. As prometidas duas mil centrais telefónicas, os 30 mil telefones fixos e outros 30 mil telemóveis para melhorar o atendimento à distância tardam a chegar e os utentes desesperam”, escreve o jornal.

Os centros centros continuam a exigir o agendamento de consultas, pedidos de receitas e outros atos por telefone e email devido à pandemia. “Há centenas de queixas de falta de resposta”, denuncia o artigo titulado “Centros de saúde atiram utentes para farmácias e privados”, destinado a assinantes (https://www.jn.pt/nacional/centros-de-saude-nem-telefones-atendem-e-atiram-utentes-para-farmacias-e-privados-12764768.html).

 

Recomendadas

Sindicato dos Enfermeiros defende controlo das cadeias de transmissão e plano para idosos

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) considerou esta sexta-feira que um novo confinamento para travar o aumento de infeções por Covid-19 só é suficiente caso exista um controlo das cadeias de transmissão e um plano de apoio aos idosos.

Novo recorde. Portugal regista mais 4.656 casos e 40 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 1.747 altas nas últimas 24 horas, elevando para 77.449 o número total de pessoas livres do vírus.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários