CEO do grupo Vodafone anuncia encerramento de mil lojas na Europa, mas lojas em Portugal não serão afetadas

Está em causa um processo transformação das lojas da Vodafone em todo o continente europeu, como forma de responder à digitalização do mercado e à mudança do comportamento tradicional do consumidor. Não está prevista a entrada de Portugal nesse plano, visto que o plano de Read já foi concretizado no país, entre 2016 e 2018.

Presidente executivo da Vodafone Portugal, Mário Vaz | Foto de Cristina Bernardo

Para cumprir um plano de transformação das suas lojas, como forma de responder à digitalização do mercado e à mudança do comportamento tradicional do consumidor, o presidente executivo do grupo Vodafone, Nick Read, confirmou que mil lojas deverão encerrar por toda a Europa. Mas em Portugal, onde a Vodafone opera há duas décadas, não estão planeados fechos de lojas, apurou o Jornal Económico esta quinta-feira.

O grupo de telecomunicações detém 7.700 lojas em toda a Europa e foi determinada a sua reformulação e adptação às necessidade do mercado. Em Portugal existe um total de 200 lojas controladas pela Vodafone Portugal, filial do grupo chefiada por Mário Vaz, que não deverão ser abrangidas pelo plano de encerramento de Nick Read, uma vez que esse mesmo plano já foi finalizado em Portugal, em 2018.

“Em grande parte, este processo de transformação das lojas para fazer face à digitalização do mercado já está a acontecer em Portugal e, recentemente, a Vodafone concluiu um ambicioso plano de transformação dos seus espaços [entre 2016 e 2018], que passou pelo encerramento de algumas lojas de menor dimensão e abertura de novas lojas, não se prevendo alterações relevantes a este plano nos próximos tempos”, contou fonte oficial.

Citado pelo “Financial Times”, o CEO do grupo Vodafone confirmou o fecho de mil lojas em toda a Europa, por causa da transformação digital do mercado e também por causa das alterações ao comportamento tradicional do consumidor.

Recomendadas

Emirates assume que pode demorar até quatro anos a retomar atividade a 100%

A Emirates alertou que o período atual seria o mais difícil nos seus 35 anos de história e durante o mês de maio informou que estaria a ponderar cortar cerca de 30 mil postos de trabalhos de forma a reduzir os custos na crise provocada pela pandemia do coronavírus,

Marcelo diz que respeita escolha de Costa Silva pelo primeiro-ministro

Presidente diz respeitar as “escolhas feitas pelo primeiro-ministro quanto a colaboradores com importância e particular responsabilidade para missões específicas”, referindo-se ao novo conselheiro económico de António Costa.

De Bezos ao fundador do Zoom. Estes 8 bilionários ficaram mais ricos durante a pandemia

Numa altura em que muitas empresas se vêem aflitas para sobreviver aos impactos da Covid-19, algumas, cujo os serviços se tornaram essenciais, viram os seus lucros aumentar, fazendo com que, por sua vez, a riqueza dos seus donos também cresça.
Comentários