CEOs pedem melhores políticas de ação climática ao Governo e Congresso norte-americanos

CEOs de gigantes como a Amazon, a Apple, Microsoft, Morgan Stanley e Goldman Sachs pedem que seja criado um preço sobre o carbono de modo a que as empresas sejam forçadas a reduzir as emissões de GEE.

A Business Roundtable (BRT) lançou um apelo ao governo federal dos EUA e ao Congresso por uma ação mais ambiciosa sobre as alterações climáticas.

A organização que conta com mais de 200 CEOs das maiores e mais influentes empresas nos EUA — como a Amazon, a Apple e a Microsoft — e que juntas geram mais de 7,5 biliões em receitas anuais emitiu o “Enfrentando as Alterações Climáticas: Princípios e Políticas” (“Addressing Climate Change: Principles and Policies”) onde pede que a administração de Donald Trump promulgue políticas climáticas alinhadas com o compromisso dos EUA com o Acordo de Paris de 2015.

Apesar de reconhecer que muitas políticas complementares serão necessárias, o BRT defende a criação de mecanismos de mercado, como um preço sobre o carbono, para que sejam tomadas ações visíveis e de grande relevo no combate às alterações climáticas.

No relatório, o BRT afirma que “os Estados Unidos deveriam adotar uma abordagem mais abrangente, coordenada e baseada no mercado para reduzir as emissões” de gases de efeito de estufa (GEE). Quaisquer receitas provenientes deste sistema baseado no mercado devem ser usadas para apoiar o crescimento económico, reduzir o impacto social e ajudar as pessoas e empresas mais afetadas negativamente, informa a ONG.

Num comunicado enviado ao JE, a Business Roundtable alertou sobre os riscos que as alterações climáticas representam para os Estados Unidos e argumenta que, embora um progresso significativo tenha sido feito para reduzir as emissões de GEE, a incerteza causada pelos esforços estaduais e federais estão a prejudicar as empresas.

“Esta na hora de uma nova abordagem”, lê-se no comunicado. “Os Estados Unidos e a comunidade internacional devem reduzir de forma agressiva as emissões de GEE e criar incentivos para o desenvolvimento de novas tecnologias para atingir essa meta. A Business Roundtable apoia a meta de reduzir as emissões líquidas de GEE dos EUA em pelo menos 80% dos níveis de 2005 até 2050”.

Para além das três gigantes tecnológicas, a organização conta com os CEOs da American Electric Power, Chevron, Exxon Mobil, os gigantes da banca, do Citigroup, JP Morgan Chase, Morgan Stanley e Goldman Sachs.

Não é a primeira vez que se pondera a ideia de um preço sobre o carbono. Na verdade, o tema já foi discutido no Congresso, em Washington, mas foi fortemente rejeitada pelos republicanos enquanto que, pouco e pouco, os democratas também se distanciaram da ideia.

Ler mais
Recomendadas

Pacto Português para os Plásticos quer reiventar o uso deste material

‘Vamos Reinventar o Plástico’ é o mote da campanha do Pacto Português para os Plásticos, que arranca hoje [dia 18 de setembro] e que pretende sensibilizar os consumidores portugueses para uma utilização responsável do plástico.

António Guterres pede aos governos para não apoiarem indústrias de combustíveis fósseis

“Ou podemos investir nas tecnologias do futuro, energia renovável, soluções baseadas na natureza, transporte sustentável e tecnologias verdes”, acrescentou o secretário-geral da ONU, dizendo que apenas este último é o caminho “racional”.

Boston Consulting Group investe 400 milhões de dólares para alcançar impacto climático zero até 2030

No ano a que a BCG celebra 25 anos em Portugal, a consultora irá investir 400 milhões de dólares, ao longo da próxima década, para permitir que as suas equipas impulsionem iniciativas de impacto ambiental e climático junto das maiores organizações mundiais.
Comentários