CEOs pedem melhores políticas de ação climática ao Governo e Congresso norte-americanos

CEOs de gigantes como a Amazon, a Apple, Microsoft, Morgan Stanley e Goldman Sachs pedem que seja criado um preço sobre o carbono de modo a que as empresas sejam forçadas a reduzir as emissões de GEE.

A Business Roundtable (BRT) lançou um apelo ao governo federal dos EUA e ao Congresso por uma ação mais ambiciosa sobre as alterações climáticas.

A organização que conta com mais de 200 CEOs das maiores e mais influentes empresas nos EUA — como a Amazon, a Apple e a Microsoft — e que juntas geram mais de 7,5 biliões em receitas anuais emitiu o “Enfrentando as Alterações Climáticas: Princípios e Políticas” (“Addressing Climate Change: Principles and Policies”) onde pede que a administração de Donald Trump promulgue políticas climáticas alinhadas com o compromisso dos EUA com o Acordo de Paris de 2015.

Apesar de reconhecer que muitas políticas complementares serão necessárias, o BRT defende a criação de mecanismos de mercado, como um preço sobre o carbono, para que sejam tomadas ações visíveis e de grande relevo no combate às alterações climáticas.

No relatório, o BRT afirma que “os Estados Unidos deveriam adotar uma abordagem mais abrangente, coordenada e baseada no mercado para reduzir as emissões” de gases de efeito de estufa (GEE). Quaisquer receitas provenientes deste sistema baseado no mercado devem ser usadas para apoiar o crescimento económico, reduzir o impacto social e ajudar as pessoas e empresas mais afetadas negativamente, informa a ONG.

Num comunicado enviado ao JE, a Business Roundtable alertou sobre os riscos que as alterações climáticas representam para os Estados Unidos e argumenta que, embora um progresso significativo tenha sido feito para reduzir as emissões de GEE, a incerteza causada pelos esforços estaduais e federais estão a prejudicar as empresas.

“Esta na hora de uma nova abordagem”, lê-se no comunicado. “Os Estados Unidos e a comunidade internacional devem reduzir de forma agressiva as emissões de GEE e criar incentivos para o desenvolvimento de novas tecnologias para atingir essa meta. A Business Roundtable apoia a meta de reduzir as emissões líquidas de GEE dos EUA em pelo menos 80% dos níveis de 2005 até 2050”.

Para além das três gigantes tecnológicas, a organização conta com os CEOs da American Electric Power, Chevron, Exxon Mobil, os gigantes da banca, do Citigroup, JP Morgan Chase, Morgan Stanley e Goldman Sachs.

Não é a primeira vez que se pondera a ideia de um preço sobre o carbono. Na verdade, o tema já foi discutido no Congresso, em Washington, mas foi fortemente rejeitada pelos republicanos enquanto que, pouco e pouco, os democratas também se distanciaram da ideia.

Ler mais
Recomendadas

Zero pede suspensão de novas centrais de biomassa

A associação pede que “qualquer intenção de instalação de novas centrais de biomassa seja de imediato suspensa”, defendendo que primeiro tem que se avaliado de forma séria “qual o potencial de biomassa florestal residual existente” e o que é que é atualmente utilizado por diferentes setores da indústria.

“Descartável voltou a invadir as nossas vidas”, lamenta ministro do Ambiente

“O descartável voltou a invadir as nossas vidas”, apontou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, que participava, esta tarde, num debate no âmbito do Visão Fest Verde, juntamente com o deputado do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza e o advogado e antigo secretário de Estado do Ambiente José Eduardo Martins.

Nova política agrícola comum “alimenta a destruição ecológica”, acusa Greta Thunberg

“Onze meses após o Parlamento Europeu declarar o estado de emergência climática, o mesmo parlamento votou numa política agrícola que – em suma – alimenta a destruição ecológica com quase 400 mil milhões de euros”, acusou Greta Thunberg, numa mensagem assinada também pelos ativistas ambientais Luisa Neubauer, Adélaïde Charlier, Camille Etienne e Anuna van der Heyden.
Comentários