Cerealto espera fechar o ano com aumento de 47% em receitas

Multinacional do setor alimentar, que tem duas fábricas em Portugal e 310 colaboradores, vai fechar o ano com um volume de negócio a rondar os 228 milhões de euros. Forte aposta na inovação e no aumento da produção suportam este crescimento.

A multinacional fabricante de produtos alimentares para grandes cadeias de distribuição e empresas alimentares no setor B2B, a Cerealto, prevê fechar o ano de 2018 com um aumento de 47% nas receitas, suportado com o incremento de 35% da sua produção e vai superar as 150 mil toneladas.

Em comunicado, a Cerealto dá conta que “fechará o ano com um volume de negócios superior a 228 milhões de euros, o que representa um crescimento de 47% face a 2017”.  Entre os vários negócios, destaque para o segmento das bolachas, que “apresenta o maior crescimento, alcançando já 41% das vendas totais da empresa, face a 29% em 2017, e 29% do volume total produzido”, lê-se na nota.

“Por zonas geográficas, 65% das vendas deste exercício correspondem ao Sul da Europa, que cresce acima de 60% face ao ano anterior, representando 75% da produção global. Segue-se o Norte de Europa, com 16% das vendas, América com 13% e, por último, Ásia e África com 4%”.

Com 310 colaboradores em Portugal, a Cerealto tem duas fábricas de produção em território nacional. Uma em Sintra, onde produz bolachas, e outra em Benavente, onde se efetua a produção de alimentos para o segmento infantil.

Em 2018, a Cerealto investiu acima de seis milhões de euros em I&D, permitindo-lhe lançar novos produtos. A aposta da Cerealto na inovação permite-lhe o lançamento constante de novos produtos. A empresa “lança mais de 150 novas referências anualmente para satisfazer a procura dos consumidores, com produtos acessíveis e que cobrem as necessidades nutricionais de cada grupo”.

 

Ler mais
Relacionadas

“Hospital Amadora-Sintra tenta o 2 em 1 que nem Vidal Sassoon”, acusa Sindicato dos Médicos

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta que médicos de Urgência Interna do Hospital Fernando Fonseca estão a ser obrigados a garantir as equipas de reanimação. Tarefas, diz, que não são sobreponíveis. SIM garante que na hipótese de ocorrer algum problema será pedida responsabilidade por parte do conselho de administração.

Câmara de Sintra aprovou orçamento municipal de 205,8 milhões de euros para 2019

A Câmara de Sintra aprovou uma proposta de orçamento municipal para 2019 de 205,8 milhões de euros, mais 11,8 milhões do que no ano anterior, com investimento no espaço público e reabilitação urbana. As principais componentes da receita municipal assentam nos impostos diretos. O investimento em 2019 incide, maioritariamente, no espaço público, designadamente na rede viária, para beneficiação e conservação de eixos rodoviários e construção de ciclovias.

“Sintra é um gigante que esteve adormecido alguns anos; agora, acordou”, diz Basílio Horta

Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra, falou ao Jornal Económico sobre o futuro do concelho de Sintra. Para a década 20/30, estão pensados investimentos em várias áreas. A saúde, o espaço público e atrair investimento privado são as prioridades para este concelho que, no futuro, poderá ter mais residentes do que a capital do país.
Recomendadas

Epson Europa vê Portugal como “mercado totalmente estratégico”

Raúl Sanahuja, responsável de Relações Públicas e Comunicação da Epson, considera que as empresas portuguesas são mais “ousadas” e “lançadas” na integração de tecnologia de impressão.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

PremiumPartner da Peugeot lidera vendas nacionais da marca

Jean-Philippe Imparato explicou ao Jornal Económico a evolução global da marca no ano passado, com uma quebra de 8,8% registada nas suas vendas mundiais (excluído o mercado do Irão).
Comentários