CGTP defende nacionalizar Galp para reverter fecho de refinaria de Matosinhos

O Governo tem o poder de voltar a chamar ao Estado a esta empresa que tem um enorme interesse para o desenvolvimento económico nacional”, disse a sindicalista Isabel Camarinha.

Mário Cruz / Lusa

A secretária-geral da CGTP – Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses, Isabel Camarinha, defendeu esta terça-feira em Matosinhos a nacionalização da Galp para reverter o anunciado encerramento da refinaria de Matosinhos e garantir a manutenção dos 1.500 postos de trabalho.

“Se a administração da Galp não reverter esta decisão [de fechar a refinaria], o Governo tem o poder de voltar a chamar ao Estado a esta empresa que tem um enorme interesse para o desenvolvimento económico nacional”, disse a sindicalista aos jornalistas, à margem de uma ação de protesto que decorreu esta tarde em frente ao edifício da Câmara de Matosinhos, no distrito do Porto.

Pelas 15:15, um grupo de trabalhadores saiu da refinaria de carro e seguiu até ao centro de Matosinhos, numa distância de cerca de quatro quilómetros, em sinal de protesto contra o anunciado fecho da Petrogal.

Em frente à câmara local, onde se concentraram, juntaram-se familiares dos funcionários, deputados de diferentes partidos políticos e curiosos, num total de cerca de 300 pessoas.

Isabel Camarinha lembrou que a Galp já foi pública, tendo sido entretanto privatizada e, agora, “está à vista” o resultado dessa privatização.

Falando na importância da empresa para o Norte e para o país, a secretária-geral da CGTP atirou responsabilidades ao Governo de António Costa, como segundo maior acionista da Galp.

“O Governo tem grande responsabilidade em tudo isto porque é o segundo maior acionista e é o Governo de Portugal, logo tem de defender os interesses nacionais”, frisou.

A Galp vai concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos este ano.

Esta decisão, anunciada a 21 de dezembro de 2020, põe em causa 500 postos de trabalho diretos e 1.000 indiretos.

A 30 de dezembro, e numa reunião pública do executivo municipal de Matosinhos, o responsável pela refinaria, José Silva, garantiu que a decisão de encerrar “está tomada e fechada”.

O Estado é um dos acionistas da Galp, com uma participação de 7%, através da Parpública.

Ler mais
Recomendadas

ASF reaviva recomendações às seguradoras para o novo confinamento

A ASF volta também a ativar a recomendação às seguradoras para não distribuírem dividendos e para constituírem provisões em face do novo confinamento e do impacto económico do lockdown decretado. As medidas temporárias, como as moratórias, continuam em vigor.

Venda de ações reforça noção que a CTG vê a EDP como investimento financeiro, diz o BPI

A estatal chinesa lançou uma OPA sobre a totalidade da EDP em maio de 2018, mas desistiu após a alteração dos estatutos para acabar com o limite de votos de 25% por acionista ter sido chumbada. Desde essa altura, vendeu 1,8% em fevereiro de 2020, mas reforçou no aumento de capital em agosto.

PremiumEDP encerra hoje de vez central a carvão de Sines. Futuro pode passar pelo hidrogénio verde.

A EDP encerra hoje de vez a central a carvão de Sines e estuda as possibilidades para o futuro, que podem passar pelo hidrogénio verde. O Governo diz que o gás natural vai garantir a segurança do abastecimento.
Comentários