Chamadas falsas para o INEM desviam 7.500 viaturas por ano

No ano passado, o INEM respondeu a perto de mais 50 mil emergências do que em 2017, totalizando 1,31 milhões de ocorrências.

Os centros de orientação de doentes urgentes do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) recebem cerca de 20.000 chamadas falsas todos os anos, acionando quase 7.500 viaturas.

A notícia é avançada na edição desta terça-feira do “Jornal de Notícias” (JN), que refere que o desvio de ambulâncias, motociclos ou até helicópteros continua a ser uma “preocupação” para os médicos do instituto.

Ao JN, o médico do INEM António Táboas disse que as brincadeiras, chamadas de atenção ou psicopatias sobrecarregam o serviço telefónico. O especialista refere ainda ao jornal que se registam “muitas situações de febre nas crianças e casos de dores nas costas, o que por si só não são emergências”.

No ano passado, o INEM respondeu a perto de mais 50 mil emergências do que em 2017, totalizando 1,31 milhões de ocorrências.

Relacionadas

Dois enfermeiros asseguram triagem e aconselhamento no 112 na Madeira

A partir desta segunda-feira, o Serviço de Emergência Médica Regional da Madeira terá em permanência, através do 112, dois enfermeiros no Sistema de Triagem e Aconselhamento Telefónico, permitindo uma melhor despistagem das ocorrências.
Recomendadas

Greve dos enfermeiros: Costa considera parecer da PGR “muito claro”

António Costa referiu que as estruturas sindicais têm de cumprir a lei, sendo uma “boa oportunidade” para repensarem as formas de luta e debruçarem-se sobre o que é importante, assegurar aos enfermeiros aquilo que eles têm direito a ver assegurado.

Enfermeiros marcam greve nacional para 8 de março

ASPE indica que a “marcha branca” de homenagem à enfermagem não está a ser organizada pelos sindicatos, mas decidiu avançar para a marcação de um dia de greve geral “para facilitar a participação de todos os enfermeiros” no desfile.

Faltas por greves na saúde voltam a disparar em 2018 para mais de 180 mil dias perdidos

As faltas por greve em 2018 mais do que duplicaram relativamente ao ano de 2016, que registou menos de 70 mil dias de trabalho perdidos por paralisações dos trabalhadores.
Comentários