Chefe da Telecom Italia acredita que 5G pode revitalizar crescimento do setor das telecomunicações na Europa

O atual momento do setor europeu das telecomunicações é visto pelo CEO da Telecom Italia como uma “falha de mercado”. Mesmo assim, Amos Genish acredita que a chegada do 5G é uma oprtunidade de revitalização do setor. Mas que oprtunidades? O que prevê o Plano de Ação 5G, elaborado por Bruxelas? E em Portugal?

O presidente executivo da Telecom Italia, a maior empresa de telecomunicações italiana, lamentou a existência de uma “falha de mercado” no setor das telecomunicações, apesar da implementação da rede 5G oferecer uma oportunidade de revitalizar o crescimento do setor na Europa.

“As empresas de telecomunicações estão a perder força financeira e os acionistas tomam decisões sem conhecimento de causa. Não podemos ignorar esta falha de mercado ”, afirmou Amos Genish em entrevista ao “Financial Times” (FT) na terça-feira.

Genish acredita que a concorrência desregulamentada de preços, a regulamentação e o facto de a maioria das empresas de telecomunicações europeias não registar lucros suficientes para cobrir o custo das suas operações, são motivo de preocupação. Não obstante, o responsável máximo das operadoras de telecomunicações italianas acredita que o 5G configura uma oportunidade para o setor.

Ainda que, no caso italiano, Genish tenha dito ao FT que o leilão de espectro 5G fora “projectado, claramente, para aumentar as verbas para o governo”, a implementação do novo espectro de rede poderá contribuir para “para passar de um setor de sofredor para um setor vencedor ”.

O 5G promete aumentar a rentabilidade reduzindo drasticamente o custo de entregar um gigabit de dados em até 70%. Também permitirá que as empresas de telecomunicações vendam serviços sob medida, “cortando” a rede para oferecer às empresas largura de banda específica e, em simultâneo, oferecer velocidades de rede mais rápidas para os consumidores dispostos a pagar mais. Genish acredita que o mercado europeu das telecomunicações beneficiaria disso, devido à criação de serviços móveis de alta qualidade.

Na Europa, a chegada da rede 5G antecipa-se para 2020. E a curto prazo, o 5G traz grandes desafios mas, de acordo com os mandados europeus, a implantação das tecnologias 5G na União Europeia (UE) poderá criar dois milhões de postos de trabalho.

De facto, a implantação destas tecnologias requer um grande investimento em equipamento e espetro e as empresas de telecomunicações esperam que os governos possam facilitar o processo através da alocação de novas faixas de espetro radioelétrico de forma coordenada para evitar a fragmentação do mercado interno e através da criação de um ambiente favorável ao investimento.

Segundo a informação divulgada pelo Parlamento Europeu, em junho de 2017,  os eurodeputados deram o seu apoio ao plano de ação preparado pela Comissão Europeia para facilitar a implantação das tecnologias 5G na Europa e sublinharam ser essencial uma coordenação entre os Estados-Membros para evitar que os atrasos que ocorreram com a implantação das 4G se repitam e que se deveram essencialmente à disponibilidade de espetro muito limitada.

Não será por acaso que a Comissão Europeia atribuiu 700 milhões de euros de financiamento público a uma parceria público-privada lançada em 2013, financiamento que deverá ser complementado com financiamento privado para atingir um valor total de 3,5 mil milhões de euros até 2025. Mais,  a implementação do Plano de Ação 5G poderá levar à criação de dois milhões de postos de trabalho.

Plano de Ação 5G
Em março deste ano, a União Europeia chegou a um acordo provisório sobre regras para comunicações 5G.

O acordo foi alcançado sobre uma série de medidas fundamentais previstas no Código Europeu das Comunicações Eletrónicas, incluindo a disponibilidade de espetro de radiofrequências para as comunicações 5G até 2020 na União Europeia (UE), 20 anos de previsibilidade de investimento para as licenças de espetro e uma melhor coordenação e avaliação pelos pares em matéria de procedimentos previstos para a atribuição de espetro de radiofrequências.

Só para as comunicações, Bruxelas apresentou o “Plano de Ação 5G”, que prevê um calendário comum coordenado da UE para o lançamento comercial dos serviços 5G em 2020, bem como um trabalho conjunto com os Estados-Membros e as partes interessadas do setor para identificar e atribuir faixas do espetro para as comunicações 5G, organizar ensaios de serviços 5G pan-europeus a partir de 2018, promover normas mundiais 5G comuns e incentivar a adoção de roteiros nacionais de implantação dos serviços 5G em todos os Estados-Membros da UE.

O caso português
Em Portugal, por regulação europeia, as operadoras de telecomunicações terão de ter implementada o espectro 5G já em 2020, sendo que a estabilidade do 5G e a sua comercialização uniformizada só ocorrerá a partir de 2025. Foi no mês de julho deste ano que a Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) deu início aos trabalhos para a libertação da faixa de frequência de 700 megahertz (MHz), abrindo o prazo até 30 de junho de 2020 para que os operadores de telecomunicações concretizem a mudança de frequências, com vista à implementação do 5G, em Portugal.

A implementação do 5G é algo complexo, numa fase de abertura, o que significa que a curto prazo haverá investimentos expressivos, sem que ainda se tenha tirado partido daquilo que foram os fortes investimentos nas redes móveis anteriores. Por cá, Nos, Vodafone Portugal e Altice Portugal tem acompanhado a exigência comunitária e a movimentação do setor a nível europeu. Ainda assim, são críticos quanto à forma e aos prazos para a implementação do novo espectro de rede, mesmo que seja unânime as oportunidades e o nível de desenvolvimento tecnológico que o 5G trará.

Em julho, o CEO da Vodafone Portugal, Mário Vaz, afirmou em entrevista ao jornal Económico: “Do ponto de vista tecnológico não temos de ter receio. Estaremos seguramente preparados na data que tal se justificar, mas não devemos olhar para o 5G apenas nessa ótica de calendário, de pôr a bandeira para dizer que temos o 5G. O que é essencial é que o país diga que nós já precisamos do 5G, porque esse é que é o momento ideal, o momento de que o 5G é útil para as pessoas, para as empresas e útil para a economia portuguesa e para a competitividade nacional, e nisso, sinceramente, não estamos lá. Estamos longe de estar lá, porque o que já temos hoje é suficiente para garantir níveis de competitividade para o país, dinâmica inovadora – ainda há muito para oferecer no LTE [Long Term Evolution, ou evolução de longo prazo]. Temos é que ir explorando o mais possível, acelerando o mais possível o potencial do 4G para fazer a transição para o 5G”.

Mais, o responsável máximo pela Vodafone Portugal contou que a empresa já investiu, “praticamente, mil milhões de euros nos últimos anos para disponibilizar uma rede de última geração de fibra”.

“O que é importante para o 5G é que haja um ecossistema e que haja um modelo de negócio associado. E a verdade é que hoje o 5G não tem nenhum business case que o justifique. É preciso começar a trabalhar nisso, porque hoje ele está a ser promovido quer pela vertente de inovação tecnológica quer até pela agenda política”, salientou Mário Vaz.

Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice Portugal, por sua vez, defende que o 5G “não pode servir de ferramenta para financiar reguladores”.

Também em julho, aquando da primeira demonstração em ambiente de rede comercial e pré-comercial da tecnologia 5G, com material da Huawei, que teve lugar na sede da Altice, em Lisboa, o CEO da operadora dona da Meo, disse (numa alusão ao leilão de espectro que a Anacom pretende realizar): “É daqueles pontos que a indústria, como um todo, tem abordado de forma unânime o tema do 5G do ponto de vista do leilão de espectro. Nós não podemos uma vez mais cair na tentação de ver o leilão de espectro 5G como uma ferramenta de financiar reguladores”.

A Nos, por sua vez, já apontou para que o 5G com selo da operadora seja uma realidade no final de 2019 e, embora o pico do espectro ocorra só em 2025, a empresa prometeu uma cobertura de 100% da população nacional.

“Estamos convictos que o 5G virá a ter a ter um enorme impacto em termos de experiência  de utilização e sobretudo na transformação digital da indústria e das cidades em Portugal, impulsionando o crescimento da economia nacional”, afirmou o CTO da NOS, Jorge Graça, no mês de julho, numa sessão de demonstração do uso da tecnologia 5G.

A pensar na implementação do 5G, as três maiores operadoras portuguesas de telecomunicações já têm parceiros tecnológicos. A Altice Portugal juntou-se à Huawei e a Nos à filandesa Nokia.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários