Chefes de Estado de Portugal e Espanha encontram-se hoje para assinalar reabertura das fronteiras

A reabertura da fronteira luso-espanhola chegou a ser anunciada para o dia 22 de junho pela ministra da Indústria, Comércio e Turismo espanhola, Reyes Maroto. Mas, após polémica com anúncio da governante espanhola, o momento acabou por ser reagendado para 1 de julho.

Adriano Machado/Reuters

Três meses e meio depois da fronteira luso-espanhola ter permanecido encerrada, como medida de mitigação à pandemia da Covid-19, apenas com pontos de passagem para mercadorias e trabalhadores, Portugal e Espanha reabrem fronteiras entre os dois países, esta quarta-feira. Para assinalar o momento, os Chefes de Estado e de governo português e espanhol encontram-se hoje em Badajoz e Elvas.

As ligações fronteiriças entre os dois países da Península Ibérica estão reabertas desde as 00h00 desta quarta-feira e ambos os Estados prepararam cerimónias ao mais alto nível para marcar politicamente o momento. De acordo com a agenda divulgada, esta manhã o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o rei de Espanha, Felipe VI, o primeiro-ministro português, António Costa, e o seu homólogo espanhol, Pedro Sánchez, encontram-se na cidades fronteiriças de Badajoz, em Espanha, e Elvas, no distrito de Portalegre.

Primeiro em Badajoz, os chefes políticos vão ouvir os hinos de Portugal e Espanha no Museu Arqueológico de Badajoz. O mesmo será repetido no Castelo de Elvas.

A reabertura da fronteira luso-espanhola chegou a ser anunciada para o dia 22 de junho pela ministra da Indústria, Comércio e Turismo espanhola, Reyes Maroto. Mas, após polémica com anúncio da governante espanhola, o momento acabou por ser reagendado para 1 de julho.

A reabertura das fronteiras entre Portugal e Espanha ocorre num momento em que a União Europeia (UE) abre portas a viagens de lazer e negócios a 15 países fora da UE, como forma de estimular tanto a indústria da aviação comercial como o setor do turismo. Argélia, Austrália, Canadá, Geórgia, Japão, Montenegro, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Coreia do Sul, Tailândia, Tunísia, Uruguai e China são os países com que o bloco dos 27 pode retomar ligações de viagens.

A China consta na lista da UE, provisoriamente. Neste caso, Bruxelas aguarda saber se há reciprocidade na medida. Isto é, se as autoridades daquele país também vão permitir a entrada de cidadãos da União Europeia naquele país.

Ler mais
Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários