Chega acusa China de “negligência” na disseminação internacional do novo coronavírus

O deputado único do Chega, André Ventura, considera que a “tentativa de ocultação” por parte do Governo chinês da propagação da Covid-19 tornou-se numa “arma poderosa” na disseminação do vírus, cujas consequências estão ainda por calcular.

O Chega apresentou esta quarta-feira um voto de condenação pela “negligência do regime comunista chinês da disseminação internacional” do novo coronavírus (Covid-19). O deputado único do Chega, André Ventura, considera que a “tentativa de ocultação” por parte do Governo chinês da propagação da Covid-19 tornou-se numa “arma poderosa” na disseminação do vírus, cujas consequências estão ainda por calcular.

“Sabemos hoje que a tentativa de ocultação, por parte do regime ditatorial chinês, da propagação do vírus em Wuhan, província de Hubei, bem como da mortalidade a que estava associado, dificultaram não apenas o trabalho de diagnóstico e prevenção comunidade médica e científica, como a preparação da comunidade internacional para lidar com o vírus”, lê-se no voto de condenação entregue na Assembleia da República,

André Ventura considera que a “persistente obsessão” do Governo chinês em controlar os meios de comunicação social, bem como em reprimir liberdades e garantias e “dificultar tudo o que represente fluxos de informação para o exterior”, tornou-se “na arma mais poderosa na disseminação do novo coronavírus, com consequências que ainda hoje não são possíveis de vislumbrar ou mensurar”.

O Chega considera que “a comunidade internacional deve agora focar-se, primeiramente, em salvar vidas e evitar o colapso dos seus sistemas de saúde”. O partido defende, no entanto, que “não pode deixar de investigar a extensão da responsabilidade do regime chinês” na origem e disseminação da “tragédia pandémica” que o mundo enfrenta.

O novo coronavírus já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais perto de 22.000 morreram. O surto da Covid-19 surgir na China, em dezembro, e espalhou-se por todo o mundo. No continente europeu, já há cerca de 260.000 infetados, sendo a Itália o país do mundo com mais vítimas mortais (7.503 em 74.386 casos registados)

Recomendadas

Presidenciais: Conselheiros das comunidades na Alemanha lamentam falta de alternativas para votar

“Se, na zona de residência, não podem deslocar-se ao fim da rua para ir fazer tarefas do dia-a-dia, então viajar centenas de quilómetros para ir votar está fora de questão”, justificou o conselheiro das comunidades portuguesas, sublinhando que, mesmo várias pessoas que não falham atos eleitorais, desta vez não vão exercer esse direito.

Costa diz que Conselho de Ministros prepara-se para tomar medidas hoje perante “alarmante propagação da pandemia”

Depois de Portugal ter atingido o pior dia da pandemia desde o seu início há 10 meses, o Governo reúne-se hoje. Fonte do executivo avançou que o Governo vai encerrar as escolas e universidades do país a partir de sexta-feira, segundo a agência Lusa.

Presidenciais: Ferro afirma que voto no domingo é um ato de resistência contra o vírus

“Votar é uma obrigação indeclinável que as circunstâncias atuais não tornam impeditiva, como pudemos verificar no passado domingo, com a alta participação de quem exerceu antecipadamente o seu voto. Votar é uma das formas de defender a República e a democracia. Votar é também uma forma de resistência”, sustenta o presidente da Assembleia da República.
Comentários