Chega vai manter voto contra estado de emergência se não houver sinais de “reabertura faseada”

O deputado único e presidente demissionário do Chega, André Ventura, defende que o confinamento está “a destruir mais do que a ajudar” e pede ao Governo que comece por apresentar um plano de reabertura das escolas.

O Chega anunciou esta terça-feira que vai voltar a votar contra a renovação do estado de emergência, se não houve uma intenção de avançar com a “reabertura faseada” da economia. O deputado único e presidente demissionário do Chega, André Ventura, defende que o confinamento está “a destruir mais do que a ajudar” e pede ao Governo que comece por apresentar um plano de reabertura das escolas.

“O Chega vai manter o sentido de voto caso não sejam dados estes sinais de uma reabertura faseada. Se forem dados, admitimos viabilizar este estado de emergência, se a lógica for manter tudo fechado voltaremos a votar contra”, referiu, à saída de uma reunião com o Presidente da República a propósito da renovação do estado de emergência, que vai a votos esta quinta-feira na Assembleia da República.

André Ventura adiantou que, segundo a conversa que teve com o Presidente da República, a intenção é “manter o mesmo nível de confinamento” no novo decreto do estado de emergência, e mostrou-se cético em relação à possibilidade de haver “alguma flexibilização” das medidas restritivas que têm vigorado até agora. Sobre a ausência de um alívio nas medidas, sublinhou: “Acho que é um erro monumental”.

“Vai haver um momento em que vamos começar a ter falta de comida na mesa, falta de dinheiro na carteira, em que a economia e as empresas vão ter de começar a fechar por falta de tesouraria e aí vamos abrir para quem? Este discurso não é irresponsável. É para mostrar ao Governo que compreendemos que está não é uma situação fácil de lidar, mas temos de começar a olhar para o que temos lá fora”, frisou.

O líder do Chega deu como exemplo a Espanha, que optou por “não fechar tudo”, apesar de ter “uma economia frágil como a nossa”. “Optámos por um modelo radical porque falhámos no verão na preparação desta pandemia”, atirou.

Para o Chega, é essencial que o Governo apresente já “neste estado de emergência” um plano com a calendarização da reabertura das escolas, para que “os pais não estejam em casa em saber o que vai acontecer”. “Não temos plano nenhum, estamos a ver se os números baixam para depois voltar a reabrir tudo. Isso não é um plano”, reiterou, salientando que um desconfinamento à pressa pode levar ao descontrolo da pandemia.

Ler mais
Recomendadas

Governo espera reabrir turismo em maio

“Por enquanto, as viagens não essenciais precisam de ser restritas, mas acreditamos que Portugal vai poder permitir viagens sem restrições em breve, não só para pessoas vacinadas, mas também para pessoas imunes ou que testem negativo”, afirmou Rita Marques à BBC.

SATA aprova acordo de emergência. Sindicato diz que salvou mais de 500 postos de trabalho na TAP

Num universo de 213 associados tripulantes da SATA, votaram 152 associados, com 135 votos a favor e 17 votos contra o ‘Acordo de Emergência’, releva um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, dando assim por concluído um processo que envolveu 40 reuniões com as administrações da PGA, da TAP e da SATA, num balanco global em que o sindicato destaca que se salvaram mais de 500 postos de trabalho na TAP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários