Cheira a narrativa

O estado atual da direita não permite atuar enquanto oposição forte. O que existe é uma amálgama de vozes fracas e o panorama só poderá mudar se os líderes forem substituídos.

Depois da crise sanitária devido à Covid-19, da avassaladora crise económica que vamos atravessar e da crise social, fomos informados que temos uma crise política. De nada suspeitávamos até a imprensa divulgar que há problemas no horizonte. Mas será mesmo assim ou estaremos perante mais uma narrativa fabricada a relembrar os piores tempos de governação de José Sócrates?

A negociação do Orçamento do Estado (OE) é sempre um momento de protagonismo e exaltação, nada disto constitui novidade. O que difere na aprovação do próximo OE é o facto de os vários partidos preferirem negociar o seu peso político em vez de trabalharem em prol do país num dos anos mais difíceis que enfrentamos. E que seja o PS, acolitado por parte da imprensa sob a sua alçada, a criar e a divulgar uma crise política fictícia para vergar os parceiros de esquerda e a oposição.

Sabendo nós que é vital a estabilidade no país perante a necessária concretização do plano de recuperação a 10 anos e a aplicação dos milhões esperados de Bruxelas, é com estupefação que assistimos a guerras menores e que seja sequer possível alguns partidos colocarem a hipótese de não aprovarem o OE. Se não conseguem ultrapassar uma “crise” destas, a  pergunta que se coloca é serão eles os protagonistas certos para recuperar o país?

A ironia consiste nesta evidência – se a encenação de crise política se transformar numa crise real, não sendo difícil de ocorrer devido aos desafios já mencionados, à instabilidade na banca e à morosidade na aplicação dos fundos estruturais quando estes chegarem, e formos confrontados com eleições antecipadas, o mais provável seria ficar tudo na mesma.

O estado atual da direita não permite atuar enquanto oposição forte. Um PSD enfraquecido pelo líder e diversas decisões erráticas, entre as quais a sua tendência de correr a apoiar o Governo em vez de ser a voz da oposição; o CDS em mínimos históricos e com muitos militantes de peso a bater a porta ao partido; o Chega com muitas polémicas e na imprensa diariamente, mas com uma força irrelevante e apenas meia dúzia de propostas fraturantes e populistas apresentadas ao país; o Aliança que, depois de perder a corrida, não elegendo sequer o líder nas legislativas, desapareceu do radar no último ano.

Tudo somado não é mais do que uma amálgama de vozes fracas e o panorama só poderá mudar se os líderes forem substituídos. O regresso de Passos Coelho é há muito debatido e esperado e o único capaz de federar a direita, ou que surja uma nova força política de peso ao centro capaz de inverter uma situação frágil e que não descola nas intenções de voto.

Mesmo com a popularidade a baixar, segundo as últimas sondagens e o escândalo de ter apoiado um dirigente desportivo, se tivéssemos eleições legislativas agora, António Costa e o PS seriam os vencedores. Nem sequer pode atirar a toalha ao tapete e retirar-se deixando à direita uma crise monumental para gerir como José Sócrates fez. Talvez seja esta a verdadeira crise política que incomoda o primeiro-ministro.

Recomendadas

Falhados

Na Wikipédia aprendem-se coisas nunca pensadas por um cidadão comum, como um tipo de morte chamado hilaridade fatal, resultante de paragem cardíaca ou asfixia na sequência de um ataque de riso.

As reversões têm de ser muito bem explicadas

Portugal não pode dar-se ao luxo de ser visto como o país onde as reversões são o “novo normal”. Importa comprovar que prevalece o interesse público e não o de ‘lobbies’ desejosos de deitar a mão a estas concessões.

O presidente vai nu

Sobre o balanço da presidência de Obama, escrevi que “o próximo tente fazer melhor”. Infelizmente, Trump não fez melhor. Em muito aspetos nem sequer tentou fazer melhor.
Comentários