Chicago. Cidade ventosa que renasceu das cinzas para arranhar os céus

A cidade do estado de Illinois é a terceira mais populosa nos Estados Unidos e também fica nesse lugar no pódio económico. A localização privilegiada permitiu a Chicago tornar-se num crucial ‘hub’ de infraestruturas e sede de dezenas de empresas gigantes como a Boeing ou a McDonald’s. A ‘windy city’, um dos três destinos diretos inaugurados pela TAP no mercado norte-americano este mês, não vive, contudo, só de negócios. Além de seum autêntico museu de arquitetura moderna, correm-lhe nas veias a arte, a gastronomia, o jazz e os ‘blues’.

Vilões como Al Capone, heróis do desporto como Michael Jordan, pensadores como o economista Milton Friedman e os dois mayors Daley (pai e filho), são alguns dos grandes nomes da história de Chicago. Logo à chegada à maior cidade do estado do Illinois, o visitante percebe, no entanto, que há outros gigantes que marcam o percurso da cidade, feitos de cimento, vidro e metal: os arranha-céus.

A bordo do Chicago’s Leading Lady, o entusiasmo de Linda, guia do cruzeiro que navega pelo ‘museu’ de arquitetura ao longo da margens do rio que partilha o nome da cidade, é contagiante. Oinício da viagem mostra logo a variedade de estilos que marcam o skyline. O contemporâneo, espelhado e imponente Trump Tower (de 2009) fica a meros metros do clássico Wrigley Building (de 1924, mas inspirado no Renascentismo) e do modernismo austero e minimalista do AMA Plaza (de 1971, o último projeto de Mies van der Rohe, mestre alemão naturalizado americano).

Além de oferecer detalhes descritivos e preciosos sobre cada edifício (o 150 N. Riverside “é como um dançarino musculado em bicos de pés”, as torres da Marina City “são como casas nas árvores”), Linda relata a história de cada torre e de como Chicago se tornou na capital pioneira dos arranha-céus.

Tudo nasceu de uma tragédia. Em outubro de 1871, uma vaga de calor seco e vento fez deflagrar um enorme incêndio que em três dias destruiu uma grande parte do centro da cidade.

Dada a importância central de Chicago na economia dos Estados Unidos, a reconstrução foi rápida. Por sorte, coincidiu com novos desenvolvimentos na tecnologia de contrução em estruturas de aço e grandes painéis de vidro. Aoportunidade atraiu alguns dos principais arquitetos do país e ainda jovens promissores, fazendo nascer assim o estilo chamado Chicago School, e cujo marco inicial foi o Home Insurance Building, construído em 1885 e que é considerado o primeiro arranha-céus do mundo. Uma segunda incarnação dessa escola iria nascer nos anos 40, com Mies Van der Rohe como cabeça de cartaz.

No final desse ciclo, surge o expoente:o Sears Tower de 1974, que foi o edíficio mais alto do mundo durante 24 anos, até ser superado pelo Petronas Twin Towers, em Kuala Lumpur.

“Alma da cidade”
No 103º andar da torre, Randy Stancik diretor-geral do edíficio, explica que é o local mais amado por muitos Chicagoans. “O nome do prédio foi comprado pela seguradora Willis há 10 anos, mas quase todos dias sou confrontado por pessoas que dizem que continuar a chamar o edifício de Sears Tower e não Willis Tower. Mostra que ´é mesmo a alma da cidade”.

A torre, detida atualmente pela gigante de private equity Blackstone, acolhe a sede da United Airlines. A companhia de aviação é apenas uma das grandes empresas americanas com base em Chicago, a par da McDonald’s, a Boeing e a Kraft Heinz, entre outras.

Em termos económicos a cidade é a terceira mais importante nos EUA, com um Produto Interno Bruto de cerca de 680 mil milhões de dólares. Os líderes da cidade orgulham-se do facto de a economia ser altamente diversificida e não estar dependente de um setor específico.

Apesar da reputação de ser uma business city, Chicago tem muito mais a oferecer. Além do skyline, há uma forte componente artística. OArt Institute of Chicago, criado em 1879 durante a reconstrução do centro da cidade, é um dos museus mais importantes do Estados Unidos, com uma coleção de 300 mil peças que vão desde bronzes chineses a instalações, passando por quadros americanos como Nighthawks (1942)de Edward Hopper ou American Gothic (1930) de Grant Wood.

Do outro lado da estrada, a sul, está o Millennium Park, o pulmão que a cidade ganhou em 2004. O parque, que tem quase 100 mil metros quadrados e foi desenhado para deixar a cidade respirar do peso dos arranha-céus, acolhe diversos eventos gratuitos, incluindo concertos num pavilhão desenhado por Frank Gehry. Outro dos destaques do parque é a Cloud Gate, escultura do artista indiano Anish Kapoor.

Não são só os olhos e os ouvidos que se regalam em Chicago. Tal como em Nova Iorque ou Los Angeles, a cidade tem um notável menu de restaurantes da alta cozinha, mas também oferece enorme diversidade, desde steakhouses a comida chinesa, grega, italiana e latina. O prato nativo da cidade é, no entanto, a deep pan pizza. Criada, alegadamente, na Pizzeria Uno em 1943, é uma versão alta, quase uma quiche. É pesada, portanto o overordering é mesmo a evitar!

Diversificar as rotas
A bordo do voo inaugural da TAPpara Chicago, efetuado a 1 de junho, Miguel Frasquilho, chairman da companhia, salientou a importância da cidade no panorama americano. “Economia, comércio, indústria, nisto tudo Chicago é uma das principais cidades dos Estados Unidos, mas é na arquitetura que reside o destaque, com os arranha-céus como principal cartão de visita”.

A rota que terá cinco frequências semanais representa a aposta da TAPno reforço do mercado norte-americano, a par de novas ligações diretas inauguradas, também em junho, para São Francisco e Washington D.C.

“As três rotas representam uma expansão da nossa operação e dos nossos horizontes, num mercado que tem sido de rápido crescimento para a TAP”, sublinhou Frasquilho, explicando que a companhia nacional ainda tem uma posição pequena no transporte de passageiros entte os dois lados do norte do Atlântico.

Com estas novas rotas, a TAP passa a voar para oito destinos na América do Norte, numa lista que já incluia Newark, Nova Iorque, Miami, Boston e Toronto, O objetivo é diversificar o negócio e a estratégia passa por reforçar a presença num mercado que entre 2015 e 2018 passou do nono para o terceiro lugar em termos das receitas da TAP, atrás apenas de Portugal e Brasil.

“Agora há condições para que os Estados Unidos se possam aproximar dos primeiros dois” afirmou o chairman da empresa, concluindo que essa estratégia passará por adicionar novos destinos no próximo ano. Houston, Los Angeles ou Atlanta são algumas das opções.

O jornalista viajou a convite da TAP

Artigo publicado na edição nº 1994, de 21 de junho, do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

Maria Isilda Ribeiro. A costureira portuguesa que coseu a bandeira americana que está na Lua há 50 anos

Um dia chegou a encomenda ‘espacial’ para ser hasteada na Lua, a que “faltava coser as bainhas, a dobra para a haste e fazer alguns remates”, recorda a costureira portuguesa no 50º aniversário da chegada do homem à Lua.

Figuras públicas: Aqueles que por vezes superam Ronaldo sem serem Messi

O capitão da Seleção Nacional tem uma liderança destacada no estudo “Figuras Públicas e Digital Influencers 2019” da Marktest, mas há quem esteja à sua frente em alguns dos atributos considerados essenciais para campanhas publicitárias. Tal como não lhe faltam ‘concorrentes’ mais adequados para darem a cara por determinados produtos. Cristina Ferreira, Manuel Luís Goucha, Sara Sampaio ou Ricardo Araújo Pereira aproximam-se de Ronaldo nas preferências dos consumidores portugueses.

Boris Johnson: de erro em erro até à enorme vitória final?

O mais do que provável futuro primeiro-ministro britânico tem uma série de caraterísticas que, em circunstâncias normais, o afastariam do número 10 de Downing Street. Mas só um enorme escândalo lhe retirará a chave da porta.
Comentários