China condena banqueiro à morte por desviar 99 milhões de euros

Jian Xiyun, ex-presidente do Hengfeng Bank, também foi condenado pelo Tribunal Popular Intermédio de Yantai pela destruição ilegal de documentos financeiros. O Hengfeng Bank é o maior dos três bancos regionais resgatados por Pequim em 2019, com ativos no valor de 180 milhões de euros.

Jian Xiyun, ex-presidente do Hengfeng Bank, um pequeno banco regional da China, foi condenado à morte por um crime de peculato, depois de ter desviado 99 milhões de euros, segundo conta o jornal “Expansión” esta sexta-feira, 27 de dezembro.

O Hengfeng Bank teve que ser resgatado neste verão pelo governo chinês, sendo que a execução da sentença estará suspensa por dois anos, após o qual a pena máxima é normalmente comutada para prisão perpétua.

O banqueiro, acusado de desviar cerca de 110 milhões de dólares (99 milhões de euros), também foi condenado pelo Tribunal Popular Intermédio de Yantai pela destruição ilegal de documentos financeiros.

O Hengfeng Bank é o maior dos três bancos regionais resgatados por Pequim em 2019, com ativos no valor de 180 milhões de euros. Além desta entidade, o governo chinês interveio também nas entidades bancárias do Baoshang Bank e Bank of Jinzhou.

Os resgates destes bancos regionais levantaram preocupações entre os investidores sobre a fragilidade do sistema bancário chinês, especialmente enquanto Pequim tenta conter os mecanismos de financiamento de alto risco que foram usados ​​por estas entidades e pelo setor privado.

Recomendadas

Funcionários judiciais em greve nos dias 2 e 3 de agosto e contestam serviços mínimos

O Sindicato dos Funcionários Judiciais marcou uma greve para 02 e 3 de agosto para todos os funcionários judiciais e acusa o colégio arbitral de parcialidade ao incluir nos serviços mínimos as diligências ligadas às próximas eleições autárquicas.

Cartão Vermelho: Vieira vai procurar outros bens para garantir prestação da caução

O ex-presidente do Benfica Luís Filipe Vieira vai apresentar outras garantias para a caução de três milhões de euros e poder deixar a prisão domiciliária decretada nas medidas de coação do processo Cartão Vermelho, confirmou hoje o advogado.

Operação Marquês: Ricardo Salgado apresenta provas de demência

Segundo o “Correio da Manhã” a defesa sublinha a necessidade de se realizar uma perícia de foro neurológico, “estritamente necessária e obrigatória” devido a “lapsos de memória”.
Comentários