China condena banqueiro à morte por desviar 99 milhões de euros

Jian Xiyun, ex-presidente do Hengfeng Bank, também foi condenado pelo Tribunal Popular Intermédio de Yantai pela destruição ilegal de documentos financeiros. O Hengfeng Bank é o maior dos três bancos regionais resgatados por Pequim em 2019, com ativos no valor de 180 milhões de euros.

Jian Xiyun, ex-presidente do Hengfeng Bank, um pequeno banco regional da China, foi condenado à morte por um crime de peculato, depois de ter desviado 99 milhões de euros, segundo conta o jornal “Expansión” esta sexta-feira, 27 de dezembro.

O Hengfeng Bank teve que ser resgatado neste verão pelo governo chinês, sendo que a execução da sentença estará suspensa por dois anos, após o qual a pena máxima é normalmente comutada para prisão perpétua.

O banqueiro, acusado de desviar cerca de 110 milhões de dólares (99 milhões de euros), também foi condenado pelo Tribunal Popular Intermédio de Yantai pela destruição ilegal de documentos financeiros.

O Hengfeng Bank é o maior dos três bancos regionais resgatados por Pequim em 2019, com ativos no valor de 180 milhões de euros. Além desta entidade, o governo chinês interveio também nas entidades bancárias do Baoshang Bank e Bank of Jinzhou.

Os resgates destes bancos regionais levantaram preocupações entre os investidores sobre a fragilidade do sistema bancário chinês, especialmente enquanto Pequim tenta conter os mecanismos de financiamento de alto risco que foram usados ​​por estas entidades e pelo setor privado.

Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.

PremiumDeco perde ação judicial contra ex-gestores do BES

Era uma mega ação de pedido de indemnização em nome dos pequenos acionistas que foram lesados pelo aumento de capital do antigo BES, mas o Tribunal da Relação manteve a decisão desfavorável à Deco.

Joana Marques Vidal alerta que simplificar contratação pública pode promover “atos de corrupção”

A ex-Procuradora Geral da República alerta que é preciso ter “muito cuidado” com a simplificação dos procedimentos concursais para executar os fundos comunitários. Caso contrário, poderá promover-se “eventuais atos de corrupção”, avisa.
Comentários