China condena banqueiro à morte por desviar 99 milhões de euros

Jian Xiyun, ex-presidente do Hengfeng Bank, também foi condenado pelo Tribunal Popular Intermédio de Yantai pela destruição ilegal de documentos financeiros. O Hengfeng Bank é o maior dos três bancos regionais resgatados por Pequim em 2019, com ativos no valor de 180 milhões de euros.

Jian Xiyun, ex-presidente do Hengfeng Bank, um pequeno banco regional da China, foi condenado à morte por um crime de peculato, depois de ter desviado 99 milhões de euros, segundo conta o jornal “Expansión” esta sexta-feira, 27 de dezembro.

O Hengfeng Bank teve que ser resgatado neste verão pelo governo chinês, sendo que a execução da sentença estará suspensa por dois anos, após o qual a pena máxima é normalmente comutada para prisão perpétua.

O banqueiro, acusado de desviar cerca de 110 milhões de dólares (99 milhões de euros), também foi condenado pelo Tribunal Popular Intermédio de Yantai pela destruição ilegal de documentos financeiros.

O Hengfeng Bank é o maior dos três bancos regionais resgatados por Pequim em 2019, com ativos no valor de 180 milhões de euros. Além desta entidade, o governo chinês interveio também nas entidades bancárias do Baoshang Bank e Bank of Jinzhou.

Os resgates destes bancos regionais levantaram preocupações entre os investidores sobre a fragilidade do sistema bancário chinês, especialmente enquanto Pequim tenta conter os mecanismos de financiamento de alto risco que foram usados ​​por estas entidades e pelo setor privado.

Recomendadas

Justiça brasileira proíbe manifestações simultâneas em São Paulo a favor e contra Bolsonaro

A pedido do Governo do Estado de São Paulo, o juiz de turno no Tribunal Civil de São Paulo, Rodrigo Galvão Medina, emitiu uma medida cautelar na sexta-feira à noite em que “proíbe a realização de atos antagónicos no mesmo local e hora”, como os que estavam previstos para este domingo na Avenida Paulista.

EDP diz que propostas do Ministério Público serão objeto de pronúncia até 15 de junho

“A administração da EDP mantém-se em funcionamento inteiramente normal e a exercer as suas funções com o seu habitual e sereno sentido de missão, estando garantidos os mecanismos de corporate governance que asseguram o cumprimento do Plano de Negócios apresentado ao mercado em Março de 2019”, garante a empresa.

“Desproporcional, insensata e ilegal”. EDP diz que pedido do Ministério Público não é fundamentado

A EDP sustenta ainda que “a promoção do Ministério Público é absolutamente desproporcional, insensata e ilegal”, uma vez que os factos em que assentam as imputações criminais “continuam a não estar, de forma alguma, fundamentados”.
Comentários