China pede a empresas públicas que adquiram ativos da Evergrande para conter impacto

O governo chinês está a pedir às empresas públicas que comprem ativos à Evergrande para conter o colapso. A Reuters avança que um grupo de empresas estatais já fez a due-diligence aos ativos imobiliários da cidade de Guangzhou, no sul da China.

O governo chinês pediu às empresas apoiadas pelo Estado que adquiram ativos da Evergrande para ajudar a construtora a garantir encaixes financeiros que permitam reembolsar a dívida no curto prazo.

Pequim está assim a convidar empresas estatais e promotoras imobiliárias participadas pelo Estado, como a China Vanke Co Ltd, a comprar alguns dos ativos do China Evergrande Group, avança a Reuters, citando fontes com conhecimento do assunto.

A Evergrande com um passivo de 305 mil milhões de dólares está à beira do colapso. Mas é improvável que o governo central intervenha diretamente para resolver a crise de Evergrande na forma de um resgate, segundo as fontes da Reuters.

As autoridades esperam, no entanto, que a compra de ativos afaste ou pelo menos mitigue qualquer agitação social que pode ocorrer se a Evergrande sofrer um colapso desordenado.

A Reuters avança que um grupo de empresas estatais já fez a due-diligence aos ativos imobiliários da cidade de Guangzhou, no sul da China.

Por exemplo, o Guangzhou City Construction Investment Group está em vias de adquirir o estádio do Guangzhou Futebol Club à Evergrande e os projetos imobiliários residenciais ao seu redor, de acordo com Reuters que cita fontes.

A Vanke e a China Jinmao Holdings estão entre as promotoras imobiliárias apoiadas pelo governo que foram convidadas a comprar ativos da Evergrande, disseram as fontes à Reuters, assim como a China Resources Land.

A confirmar-se a informação avançada pela Reuters, este será um sinal de que, apesar do governo chinês não ir fazer um resgate direto à gigante do imobiliário, está a mover-se nos bastidores para garantir uma solução controlada para o desaire da Evergrande que está a abalar os mercados financeiros nas últimas semanas, que evite um incumprimento desordenado das obrigações.

Pequim tem trabalhado para conter qualquer efeito de ricochete dos problemas de Evergrande no sistema financeiro, com o banco central a prometer na segunda-feira proteger os consumidores expostos ao mercado imobiliário e injetar mais dinheiro no sistema bancário.

Um dos primeiros sinais de uma investigação oficial ao gigante imobiliário veio esta semana, quando o regulador financeiro de Shenzhen disse que tinha sido aberta uma investigação a uma unidade de gestão de fortunas da Evergrande.

Segundo a Reuters, os governos locais têm instruções para convidar grupos e empresas suportadas pelo governo a participar na reorganização e venda de ativos da Evergrande. Qualquer ação tomada pelos governos locais dependerá da extensão da presença de Evergrande nessas zonas e das finanças locais das províncias ou cidades em particular, disseram as fontes à Reuters.

 

Recomendadas

Movimento nos aeroportos portugueses sobe 2,3% até setembro para 15,2 milhões de passageiros

O número de passageiros que passou pelos aeroportos portugueses aumentou, em termos homólogos, em 2,3%, para 15,2 milhões até setembro, adiantou em comunicado a Vinci, que detém a ANA – Aeroportos de Portugal.

Matos Fernandes descarta medidas adicionais para atenuar subida dos preços da energia

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse esta sexta-feira que “não vai haver necessidade” de falar de medidas adicionais para atenuar a subida dos preços da eletricidade “nos meses mais próximos”.

Galp: “Evento na Unidade de Destilação Atmosférica de Sines” não teve impacto no abastecimento do mercado português

“Seguindo os protocolos de segurança, a Empresa parou a operação da DAT que, após o seu arranque, é esperado que opere com taxas de utilização mais reduzidas durante algumas semanas”, anuncia a Galp.
Comentários