China vai vender petróleo das reservas estatais para tentar conter subida dos preços

A medida também pode ser vista como um sinal de advertência à OPEP+, que tem enfrentado críticas por deixar os preços do petróleo subirem muito rápido enquanto a economia mundial tenta recuperar da pandemia.

A China anunciou que vai vender petróleo das suas reservas estatais pela primeira vez, numa altura em que Pequim intensifica os esforços para conter as pressões inflacionárias decorrentes dos mercados de commodities, escreve o “Financial Times”.

O Escritório Estadual de Reservas de Grãos e Materiais chinês (EERGM) disse que iria libertar lotes de petróleo para venda a empresas de refinaria e produtos químicos domésticos para “aliviar a pressão do aumento dos preços das matérias-primas”.

“Colocar petróleo bruto da reserva nacional no mercado através de vendas em leilão aberto estabilizará melhor a oferta e a procura do mercado doméstico e garantirá efetivamente a segurança energética nacional”, afirmou a EERGM, num comunicado citado pelo jornal britânico.

Embora outros grandes importadores de petróleo, como os Estados Unidos (EUA), tenham por vezes explorado as suas reservas nacionais durante interrupções no fornecimento ou para atender às necessidades orçamentais, é a primeira vez que a China anuncia publicamente a sua intenção de vender stocks.

A China, que ultrapassou os EUA para se tornar o maior importador mundial de petróleo bruto na década passada, pouco disse em público sobre as suas grandes reservas estratégicas de petróleo e a administração das mesmas, também não especificou quanto petróleo vai vender.

Amrita Sen, da consultoria Energy Aspects, disse que a China vendeu discretamente reservas de petróleo no passado, mas agora parece querer aproveitar os seus stocks com maior frequência e publicamente para tentar controlar a inflação. “Isso não é novo, mas o anúncio é e acho que é uma tentativa da parte deles de moderar os preços domésticos”, referiu, à mesma publicação.

A medida também pode ser vista como um sinal de advertência à OPEP+, que tem enfrentado críticas por deixar os preços do petróleo subirem muito rápido enquanto a economia mundial tenta recuperar da pandemia.

A OPEP e os seus aliados optaram na semana passada por seguir o seu cronograma atual para aumentar a produção que foi cortada no início da pandemia, resistindo aos apelos dos EUA para restaurar a produção mais rapidamente.

Nos últimos dois meses, a Administração Nacional de Alimentos e Reservas Estratégicas chinesa realizou pelo menos três leilões semelhantes para reservas estatais de vários metais, incluindo cobre, zinco e alumínio. Antes dos leilões de 30 mil toneladas de cobre, 90 mil toneladas de alumínio e 50 mil toneladas de zinco em julho, Xu Gaopeng, funcionário da administração de reservas, disse à imprensa estatal que a China foi capaz de acalmar o mercado utilizando as suas abundantes reservas.

Recomendadas

PSI-20 no ‘verde’ acompanha congéneres europeias a meio da sessão

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX avança 0,18%, o francês CAC 40 sobe 0,03% e o espanhol IBEX 35 valoriza 0,14% e o britânico FTSE 100, aumenta 0,31%.

Vai começar a investir? Saiba por onde começar

O empreendedor e fundador da Relive, José Costa Rodrigues, esteve presente no Investing Day da XTB Portugal para falar dos seus primeiros investimentos. Saiba por onde deve começar e os erros que deve evitar.

Lisboa abre sessão nos ganhos com subida da Semapa e Galp

A Europa negoceia neste momento em subida. A praça lisboeta acompanha os ganhos com as subidas superiores a 1% da Semapa, Galp e Greenvolt.
Comentários