Ciência a menos, ideologia a mais

A jovem ativista sueca Greta Thunberg vem a caminho de Portugal a bordo de um veleiro.

A jovem ativista sueca Greta Thunberg vem a caminho de Portugal a bordo de um veleiro. A jovem será recebida na Assembleia da República e podemos certamente contar com uma intervenção sua sobre as alterações climáticas.

Greta e outros ativistas têm desempenhado um papel fundamental na consciencialização da opinião pública mundial sobre as causas e os efeitos das alterações do clima. Mas este ativismo emocionado, alimentado pelo fulgor da juventude, tem também um lado negativo, que é o risco de se transformar numa espécie de culto milenarista utilizado por alguns para tentar enfraquecer o sistema político e económico em que vivemos (e que encontra, do outro lado do espectro ideológico, um nível semelhante de irracionalidade, como temos visto da parte do negacionista presidente Trump).

Senão vejamos: quando os ativistas afirmam que as alterações climáticas vão pôr fim à civilização humana, fazem-no sem provas científicas que sustentem essas afirmações. O mesmo acontece quando dizem que temos X anos para salvar o planeta, que vão morrer milhares de milhões de pessoas ou que as águas do mar vão engolir países inteiros. São frases boas para fazer manchetes de jornais e gerar cliques nas redes sociais, mas que não são suportadas pela Ciência (a este respeito recomendo a leitura do último relatório do IPCC, da ONU, em https://www.ipcc.ch/).

As alterações climáticas representam um grande problema para a Humanidade e para o planeta, colocando em risco a sobrevivência de milhões de seres humanos e de milhares de espécies. Temos por isso de apostar em energias mais limpas, reduzir as emissões de carbono e de tomar medidas para minorar os efeitos deste processo. Mas não existe consenso científico sobre os cenários de destruição e catástrofe generalizadas que têm sido profetizados por alguns ativistas. As alterações climáticas são um problema grave, sim, que vai afetar sobretudo o chamado Terceiro Mundo (e não só), mas são apenas um entre vários desafios que a Humanidade terá de resolver nas próximas décadas, fazendo uso da ciência e da tecnologia. Em suma, falta mais ciência e menos ideologia neste debate.

O mais provável é que, partindo do princípio de que não aparece um louco que carrega no botão nuclear, Greta e os jovens da sua geração tenham boas probabilidades de viver até ao século XXII.

Recomendadas

Esta opinião só tem dois recados

Ninguém gosta de ser chamado de moço ou moça de recados, nem de ver manchada a reputação de independência.

Mais redistribuição? Sim, por favor

Dados da OCDE mostram que em Portugal pode demorar até cinco gerações para que os descendentes de uma família pobre atinjam o rendimento médio nacional.

A TAP

A nacionalização avança perante a pressão de ‘lobbies’ vários e defendida por bem conhecidos mamões do Estado que temos.
Comentários