PremiumCigarros eletrónicos: Startup americana JUUL entra no mercado nacional

Empresa anuncia venda de produtos em Portugal a partir de outubro, com uma rede de quatro mil pontos de venda. Mercado nacional alternativo aos cigarros tradicionais vale 115 milhões por ano.

A JUUL, startup privada norte-americana que comercializa cigarros eletrónicos anunciou ontem a entrada no mercado nacional, numa semana marcada pela polémica em torno dos cigarros eletrónicos. A Sociedade Portuguesa de Pneumologia alertou os consumidores nacionais para não consumirem este tipo de produtos, na sequência de diversas entidades norte-americanas terem reportado mortes de consumidores destes cigarros eletrónicos, alegadamente por malefícios provocados por este tipo de produtos.

“O JUUL foi criado com a missão de ser uma alternativa para os mil milhões de fumadores adultos em todo o mundo. O JUUL não contém tabaco nem gera combustão e, portanto, não produz monóxido de carbono ou qualquer um dos mais de sete mil componentes nocivos presentes no tabaco. O JUUL contém nicotina, uma substância viciante, mas que não está associada aos múltiplos problemas de saúde causados pelos cigarros”, defende Nélson Patrício, diretor geral da JUUL LABS Portugal, em declarações ao Jornal Económico.

“Sendo o tabagismo o maior problema de saúde pública e a principal causa de morte evitável no mundo, muitas organizações na área da saúde apoiam o vaping [cigarros eletrónicos que se caracterizam por libertarem muito fumo, ou vapor] como uma alternativa ao tabaco, como por exemplo a Public Health England ou a American Cancer Society“, justifica este responsável.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários