CIP defende emissão de ‘eurobonds’ ou ‘coronabonds’ como “terapia” para a crise provocada pela Covid-19

Em conferência de imprensa, após a reunião extraordinária com o Governo e os restantes parceiros da concertação social, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, disse que é necessário agir com “rapidez” e o Governo e a UE devem agir com “espírito de entreajuda” para salvar a economia e os empregos.

Cristina Bernardo

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, defendeu esta quarta-feira a necessidade de os Estados-membros da União Europeia (UE) emitirem dívida conjunta para mitigar os impactos negativos do novo coronavírus (Covid-19). António Saraiva diz que é necessário agir com “rapidez” e o Governo e a UE devem agir com “espírito de entreajuda” para salvar a economia e os empregos.

“Apesar de alguns Estados-membros não se terem até agora mostrado disponíveis para essa metodologia é fundamental criar novos mecanismos: as eurobonds, as coronabonds, ou como lhe quiserem chamar. Não importa a adjetivação, importa o resultado e a terapia para este problema com que nos deparamos”, afirmou António Saraiva, em conferência de imprensa, após a reunião extraordinária do Governo com os parceiros da concertação social para preparar o Conselho Europeu e fazer o ponto de situação da Covid-19.

“Deve-se exigir à UE confiança, união e solidariedade, porque Portugal e nenhum dos Estados-membros sozinho vai conseguir ultrapassar esta crise, porque a dimensão e o tempo que vai exigir a todos nós é insustentável. Não chega alterar algumas regras da União. É necessário que as medidas sejam rápidas e que a UE seja solidaria com cada um dos Estados-membros”, defendeu António Saraiva.

António Saraiva disse que “Portugal está a fazer os possíveis” ao “fatiar” as medidas, mas sublinha que é preciso que essas medidas sejam executadas de forma rápida para “chegarem rapidamente às empresas para que possam garantir os empregos”. “Para garantir emprego, é necessário que haja um espírito de entreajuda entre o Governo e a União Europeia para salvar a economia e os empregos”, disse.

“A palavra de ordem é rapidez. Temos de remover a parede de burocracia que hoje está instalada quer na UE como na Administração Pública em Portugal porque a situação é de emergência”, acrescentou.

Numa carta enviada ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, António Costa e oito outros líderes europeus (da França, Itália, Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Irlanda, Grécia e Eslovénia) pedem a implementação de um instrumento europeu comum de emissão de dívida para enfrentar a crise provocada pela covid-19, “para angariar fundos no mercado na mesma base e em benefício de todos os Estados-membros”.

Segundo os oito líderes europeus, as ‘eurobonds’ permitiriam assegurar “um financiamento a longo prazo estável para as políticas necessárias para fazer face aos danos causados por esta pandemia”, proporcionando a todos os Estados-membros as mesmas condições.

Ler mais

Recomendadas

Diretores de jornais e revistas lançam apelo: diga não à pirataria

Numa iniciativa inédita, os diretores dos principais jornais e revistas de Portugal juntaram-se num apelo conjunto aos leitores para que digam não à pirataria. O jornalismo de qualidade só será viável se tiver o apoio dos seus leitores.

Mais de 80% dos pacientes infetados com Covid-19 estão a recuperar em casa

Segundo os dados hoje divulgados, existem 1.124 profissionais de saúde infetados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Portugal.

Recorde. 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego em duas semanas

Número semanal de pedidos de desemprego bate um recorde pela segunda semana consecutiva, atingindo os 6,6 milhões de trabalhadores. Em duas semanas, 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego devido à pandemia da Covid-19.
Comentários