Circo sem feras

Os mais pequenos, como os das cidades e vilas de veraneantes, também já perceberam que fazem mais sucesso com Homens-aranha e com Elsas e Olafs que propriamente com um tigre.

Chega-se à altura natalícia e há que relembrar a Portaria 1226/2009 – DR197, que aprova a Lista de Espécies de cujos espécimes vivos, bem como dos híbridos deles resultantes, é proibida a detenção. Ou, de forma redutora, proíbe circos com animais, com várias exceções (proibição de reprodução, existência prévia, e muitas espécies). Este ano o PAN relembrou-nos o assunto propondo um alargamento da legislação anterior a todos os animais, a ser discutido amanhã no Parlamento.

Adiantando-se à linha do tempo estão algumas cidades, como Sintra e Cascais, que não permitem estes circos, mesmo se já existissem aquando da entrada em vigor da Portaria. Grandes circos já se apresentam sem as ditas feras, alguns mesmo muito conhecidos a nível nacional, como o espetáculo anual no Coliseu do Porto (desde 2015). Os mais pequenos, como os das cidades e vilas de veraneantes, também já perceberam que fazem mais sucesso com Homens-aranha e com Elsas e Olafs que propriamente com um tigre. De facto, quem é que paga para ver animais selvagens, indubitavelmente confusos, e forçados a aprender uma rotina de forma muito pouco transparente, quando se pode assistir a espetáculos fabulosos com acrobatas humanos ou outras palhaçadas noutros circos? O Novo Circo, por exemplo, recupera tradições circenses extraordinárias.

Os poucos circos com animais ainda existentes acabam por se fixar nas cidades onde ainda não há a proibição, oferecem bilhetes aos infantários locais para que os pais paguem os seus. Pouca população se dá ao trabalho de propor manifestos que chamem a atenção das Câmaras Municipais, ou sequer de impedir que os filhos vão. Na verdade, é importante que não vão, pois, de tão pequenos, não têm, e ainda bem, compreensão das implicações.

Os circos veem nas crianças, ainda sem filtros sociais, um futuro que não virá. E tão bem o sabem, que deixaram de colocar os animais nos cartazes publicitários. Os pais e avós (convenhamos, que quão maior o generation gap, maior o problema), numa qualquer convicção que aqueles animais são domesticados e não amestrados, diferença essencial, vêm na possibilidade de ver um animal destes a fazer habilidades algo de muito importante. Mas não é importante. Há internet e canais de televisão, que mostram todos os animais numa situação mais próxima do ideal. Há também, apesar de não isentos a críticas, alguns jardins zoológicos operacionais, onde é possível ver grandes animais selvagens, para quem fizer questão. É uma questão de empatia básica e bom senso, e é uma pena que a lei venha primeiro que a empatia. Quase 20 países já têm esta proibição. Em Inglaterra, 94% das pessoas é contra animais no circo e possivelmente serão os próximos a banir a prática ao nível nacional. Para quando em Portugal?

(A partir de um comentário meu no ano passado, que infelizmente traduz uma realidade que não mudou.)

Recomendadas

Soberanos do tempo (1)

Com o prolongamento do período de quarentena, a invisibilidade do medo pode tornar-se corrosiva e comprometer drasticamente o sentido de comunidade.

Resiliência e reinvenção em tempos de pandemia

Quem já lidera a transformação digital dá a mão a quem, mais do que nunca, precisa agora de se reinventar. E os muitos exemplos empresariais mostram a união de esforços para um bem comum.

A banca é decisiva para salvar Portugal da crise, mas haverá coragem para isso?

A crise económica causada pela Covid-19 é a oportunidade de ouro para o setor financeiro se redimir dos escândalos da última década e para demonstrar por que razão deve ser resgatado pelos contribuintes, quando necessário. Uma forma de o fazer seria através de créditos a custo zero para empresas em dificuldades, com garantia estatal e a possibilidade de se transformarem em financiamentos a fundo perdido, como sugere Draghi.
Comentários