City de Bernardo Silva e João Cancelo precisou de mais de mil milhões de euros para “montar” atual plantel

O Observatório do Futebol – CIES analisou quanto é que os clubes das principais cinco ligas europeias tiveram de investir até conseguirem “montar” os atuais plantéis. Os números são astronómicos e revelam o enorme esforço financeiro que os maiores clubes do mundo têm de fazer para apresentarem plantéis num nível competitivo muito acima da média.

REUTERS/Stephane Mahe

O Manchester City, clube do principal escalão do futebol inglês onde figuram os portugueses Bernardo Silva e João Cancelo, precisou de investir 1.014 milhões de euros em contratações de atletas para “montar” o plantel atual, de acordo com as contas feitas pelo Observatório do Futebol – CIES aos clubes das cinco maiores ligas europeias (liga inglesa, espanhola, italiana, francesa e alemã, vulgo Big 5), apresentadas esta segunda-feira, 9 de setembro.

O clube inglês é o primeiro na história a apresentar um plantel que representa mais de mil milhões de euros em transferências. Atrás dos citizens, surgem Paris Saint-Germain (913 milhões de euros), Real Madrid (902 milhões), Manchester United (751 milhões) e Juventus (719 milhões).

Os números são astronómicos e revelam o enorme esforço financeiro que os maiores clubes do mundo têm de fazer para apresentarem plantéis num nível competitivo muito acima da média.

Ainda assim, ao calcular a diferença entre o plantel mais caro e o mais barato da respetiva liga, o CIES conclui que é na liga inglesa que se encontra menor disparidade. Na Premier League, no extremo oposto ao do Manchester City, o Norwich City é o clube que menos precisou de investir no seu atual plantel. Pelos dados divulgados, o plantel do City é apenas 32 vezes mais caro do que o do Norwich. Na liga italiana a Juventus de Cristiano Ronaldo é a que mais precisou de investir no atual plantel e o Lecce é, precisamente, a que tem o plantel mais barato, sendo que, de um extremo ao outro, o valor da Juventus vale 63 Lecce.

Na liga alemã são necessários 85 Paderborn para se alcançar o valor que foi preciso o Bayern investir para ter o atual plantel. Já em França, o Paris Saint-Germain vale 114 Nîmes. Em Espanha, a disparidade é ainda mais brutal: são para construir o atual plantel, o Real Madrid precisou de investir o equivalente a 148 Maiorca.

Aprofundando, ainda mais, as grandes divisões financeiras do futebol europeu, o CIES indicou que a despesa média em transferências de cada clube, para criar o atual plantel, é de 345 milhões de euros na Premier league; 167 milhões na liga italiana; 124 milhões na liga alemã; e 118 milhões na liga francesa.

 

Ler mais
Relacionadas

Benfica é o quarto clube europeu que mais ganhou em transferências nos últimos dez anos

Benfica ganhou 780 milhões de euros em transferências entre 2010 e 2019 e, pelas contas do Observatório do Futebol – CIES, é o quarto clube europeu que mais beneficiou do mercado de transferências nos últimos dez anos. O FC Porto também consta da lista na 11.ª posição, com um ganho acumulado de 592 milhões de euros.

Futebol Europeu: transferências registam valor recorde 6,6 mil milhões de euros em 2019

Dados do Observatório do Futebol – CIES reportam um novo recorde sobre o volume de investimento realizado em 2019, no acumulado do mercado de transferências (de inverno e verão). Numa análise comparativa, o organismo indica que o campeonato espanhol se estabeleceu “como a segunda liga mais poderosa do planeta, atrás da [inglesa] Premier League”.

Mão portuguesa cada vez mais influente no mundo do futebol

Há mais jogadores portugueses com um valor de mercado considerável, como também a influência de treinadores e diretores desportivos portugueses se tornou inegável.
Recomendadas

F1. Eleven Sports diz ter ganho mais subscritores com cobertura “sem precedentes” do Grande Prémio de Portugal

“O regresso da F1 a Portugal foi absolutamente histórico e não podíamos estar mais gratos por ter feito parte deste acontecimento. Apesar das normas impostas pela pandemia, que foram de facto desafiantes, preparámos uma operação sem precedentes”, contou gestor da Eleven Sports Portugal ao JE.

Arsène Wenger alerta: criação da Superliga europeia “destruirá a Premier League”

Quando questionado sobre se a criação da superliga europeia é uma decisão empresarial, Wenger responde que “atualmente vivemos um período onde os donos do clube são também eles investidores, ou seja, o principal objetivo deles é fazer dinheiro, e a superliga é uma maneira de o fazer”.

‘Pay per view’ da Premier League não convence adeptos e rende apenas cinco milhões de euros

Nenhum dos nove encontros excedeu os 100 mil espectadores, sendo que três destes ficaram a baixo da média mínima pretendida de 10 mil espectadores. Face aos números registados e, sem a expectativa que estes aumentem significativamente, a PL é forçada a repensar o custo por jogo, como forma de alcançar uma maior audiência durante o próximo mês.
Comentários