Clientes do Santander podem requerer moratórias a partir de hoje através do Netbanco

A medida, para já, está disponível através do Netbanco do Santander Totta e “pode ser concretizada pelos clientes mesmo antes de completamente definido o enquadramento do regime destas moratórias que tem estado em discussão entre o setor e as autoridades oficiais”, explicou a instituição financeira.

Cristina Bernardo

O Santander Totta antecipou-se à aprovação do regime das moratórias bancárias que está a ser preparado pelo Governo e já deu aos clientes  que se encontrem em situação regular com o banco a possibilidade de aderir às moratórias que já tinham sido anunciadas.

A medida, para já, está disponível através do Netbanco do Santander Totta e “pode ser concretizada pelos clientes mesmo antes de completamente definido o enquadramento do regime destas moratórias que tem estado em discussão entre o setor e as autoridades oficiais. A medida visa dar uma resposta rápida às necessidades de liquidez imediatas”, explicou a instituição financeira liderada por Pedro Castro e Almeida.

O banco adiantou ainda que “caso venha a ser aprovada uma moratória legal os clientes que venham a preencher os requisitos para enquadramento nesta moratória terão uma transição automática para este regime”.

“O Santander possibilita às 250 mil famílias que têm crédito habitação no banco, aos clientes que têm crédito pessoal e às 67 mil empresas que se financiam junto do banco a possibilidade de, tendo tido redução dos seus rendimentos, terem desde já a suspensão do processamento das suas prestações e adesão à moratória do banco que permite a carência de capital de 6 meses na vasta maioria dos produtos comercializados pelo Santander”, lê-se na nota.

O anúncio do Santander Totta surge na sequência da autorização da Autoridade Bancária Europeia (da sigla em inglês, EBA) à banca para dar moratórias de crédito para responder à falta de liquidez causada pelo Covid-19.

No início da semana, o Santander Totta anunciou que os particulares e empresas que estão em situação regular com o banco poderão requerer uma moratória até seis meses para os seus créditos. Para os particulares, a moratória abrange não apenas as prestações do crédito à habitação, mas também as prestações do crédito ao consumo.

Para as empresas, de forma a mitigar os problemas de liquidez, o banco mostrou-se disponível para renegociar as características dos créditos de pequenas e médias empresas, oferecendo uma carência de capital prazo de até doze meses.

Santander também dá carência de seis meses ao crédito à habitação e consumo

Ler mais
Relacionadas

Moratória exclui créditos para ações e abrange todas as empresas exceto as financeiras

Segundo apurou o Jornal Económico, a moratória vai abranger os créditos à habitação e crédito pessoal, exceto o crédito para a compra de ações, obrigações e outros instrumentos financeiros. Fora fica ainda o crédito de cartões de crédito de empresas, de administradores e de outros quadros.  As empresas vão ser todas abrangidas, exceto as financeiras.

BCP anuncia medidas de 4,7 mil milhões para apoiar clientes atingidos pela crise do Covid-19

O presidente do BCP , Miguel Maya, revelou que está a preparar um pacote de medidas para apoiar famílias e empresas devido à crise provocada pelo novo coronavírus.

EBA autoriza bancos a darem moratórias de crédito para responder à falta de liquidez causada pelo Covid-19

A EBA diz que “nas circunstâncias atuais as medidas que os governos e as instituições de crédito estão a propor para lidar com o impacto económico sistémico adverso da pandemia da Covid-19 não levam automaticamente a uma reclassificação como crédito reestruturado”, logo não afecta os rácios prudenciais dos bancos.
Recomendadas

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

ASF recomenda que gestoras de fundos não distribuam dividendos

A queda dos mercados financeiros não dá tréguas aos fundos de investimento e aos fundos de pensões. A ASF diz que será essencial que as entidades gestoras informem os participantes acerca do potencial montante de perda causado pelos reembolsos,

Fidelidade e Médis com serviços de assistência em casa em tempo de Estado de Emergência

A Fidelidade oferece assistência ao lar a Profissionais de Saúde e a Médis surge com um serviço de entrega de medicamentos ao domicílio sem custos para o cliente.
Comentários