Closer tem 70 vagas por preencher nos próximos meses

Catarina Vasconcelos, HR Manager Closer, revelou ao Jornal Económico que a tecnológica portuguesa quer contratar sete dezenas de pessoas nos próximos seis meses.

Depois de ter contratado 54 pessoas em 2016, a Closer volta de novo a reforçar os seus quadros. Ao Jornal Económico, Catarina Vasconcelos, responsável pelo departamento de Recursos Humanos, revelou que a tecnológica tem 70 vagas em aberto para preencher nos próximos seis meses.

Procuram-se profissionais para funções de programação Java e .Net, Business Intelligence, Analistas funcionais, e reforço da área de Business Managers.

A tecnológica portuguesa focada em simplificar e rentabilizar o dia-a-dia das empresas abriu recentemente um escritório na Macedónia como resultado da sua estratégia de expansão internacional. A nova subsidiária reforça a aposta internacional da Closer e juntar-se aos escritórios já existentes no Reino Unido, Brasil e Portugal.

O objetivo passa por iniciar a comercialização e implementação das suas soluções nesta zona geográfica do globo (em especial de Advanced Analytics), aproveitar os recursos qualificados existentes e prestar apoio tecnológico ao grupo.

Recomendadas

PremiumApostar na formação para se poder reindustrializar

O redirecionamento do ensino para colmatar as novas necessidades do mercado de trabalho terá um papel fundamental na reindustrialização portuguesa. A mão de obra que é menos cara noutros países poderá ser um problema.

PremiumComo será o futuro do emprego pós-Covid?

As empresas vão continuar a recorrer a profissionais mais qualificados e o número de trabalhadores a recibos verdes vai aumentar. “Na formação de nível superior, a licenciatura de Bolonha é claramente insuficiente para grande parte das empresas”, afirma o professor António Almeida.

Candidaturas a 51 mil vagas no ensino superior começam hoje

As instituições de ensino superior do Porto poderão ter mais alunos nas áreas das engenharias enquanto em Lisboa o aumento registou-se nas competências digitais, segundo dados disponibilizados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).
Comentários