‘Cluster’ do mobiliário atingiu recorde de exportações em 2019 com 1,83 mil milhões de vendas

Após uma queda de 75% do volume de exportações em abril, esta fileira industrial registou uma ligeira subida no mês de julho, face ao período homólogo, demonstrando uma tendência de recuperação.

Foto cedida

O ‘cluster’ nacional da indústria do mobiliário e afins bateu em 2019 o recorde de exportações, com um total de 1,83 mil milhões de euros de vendas ao exterior.

Após uma queda de 75% do volume de exportações em abril, esta fileira industrial registou uma ligeira subida no mês de julho, face ao período homólogo, demonstrando uma tendência de recuperação.

“O ‘cluster’ do mobiliário e afins bateu, no ano de 2019, o valor recorde de exportações, atingindo os 1,83 mil milhões de euros em vendas ao exterior. O ano de 2020 iniciou-se ao mesmo ritmo, com um crescimento médio de 5%, face ao ano anterior. Contudo, o eclodir da pandemia da Covid-19 viria a inviabilizar a manutenção desta tendência.

Em março, o decréscimo registado nas exportações foi já de 32%. Em abril, a fileira, que integra um conjunto de setores tradicionais da economia portuguesa, como o mobiliário, a colchoaria, a decoração, a tapeçaria e a iluminação, registou mesmo um dos piores meses da última década, com apenas 38 milhões de euros gerados em vendas ao estrangeiro. Uma descida de 75%, face a igual período em 2019”, revela um comunicado da APIMA – Associação Portuguesa das Indústrias d Mobiliário e Afins.

Segundo essa nota, “o fim do confinamento e a retoma económica, aliados à tradicional resiliência destes setores, abrem boas perspetivas para a recuperação da vocação exportadora”.

“Se em maio a queda registada foi de 52%, em junho a descida foi de apenas 7%, em comparação com os mesmos meses do ano anterior. Já no mês de julho, houve mesmo lugar para um ligeiro aumento, de 166 milhões de euros arrecadados em exportações de produtos deste cluster, em 2019, para 167 milhões, em 2020. Os dados divulgados pelo INE (Instituto Nacional de Estatística) permitem aferir que, mesmo perante um dos anos mais desafiantes da história recente, o ‘cluster’ do mobiliário e afins registou uma subida das exportações em três dos sete meses contabilizados”, adianta o comunicado em questão.

De acordo com os responsáveis da APIMA, “a média é, ainda, negativa, com uma descida de 23% das receitas oriundas de exportações, entre janeiro e julho, face a igual período do ano de 2019, mas a tendência levanta algum otimismo entre as empresas”.

“Importa, contudo, destacar que um inquérito recente da APIMA (Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins), levado a cabo no mês de julho, revelou que 70% das empresas tinham planeamento produtivo até ao mês de setembro, mas que o último quadrimestre se apresentava com bastantes incertezas, face às dúvidas relativamente ao comportamento dos principais mercados. No mesmo estudo, 60% das empresas previa retomar o volume de negócios anterior à pandemia apenas no ano de 2021”, avança o mesmo comunicado.

Segundo a APIMA, França mantém-se como o principal destino dos produtos nacionais deste ‘cluster’, com uma quota de 30%. “Este mercado explica boa parte dos resultados registados pela fileira neste período, com um decréscimo de 32% face aos primeiros sete meses do ano anterior. Já no mercado espanhol, o segundo mais importante para as empresas nacionais, a queda foi menos significativa, com uma descida de 11% na importação de bens portugueses. Seguem-se, no ‘top 5’ dos destinos mais relevantes do ‘cluster’ do mobiliário e afins nacional, a Alemanha, os EUA e o Reino Unido, com descidas de 31%, 14% e 30%, respetivamente, face ao período homólogo”, assinala a nota da APIMA.

“Os dados divulgados são, efetivamente, preocupantes. Correspondem às expetativas que tínhamos, nomeadamente no contacto diário com os vários setores da fileira, bem como nas iniciativas que temos dinamizado”, lamenta Gualter Morgado, diretor executivo da APIMA.

“Tenho, contudo, de ressalvar a resiliência que caracteriza este ‘cluster’. Rapidamente, encontraram novas plataformas comerciais, com um grande enfoque no digital, e procuraram novos clientes, mercados e oportunidades. Assim se explica que, mesmo perante as enormes contingências e dificuldades, o ritmo de recuperação esteja a ser mais célere do que o de outros setores da economia nacional”, defende este responsável.

Os responsáveis da APIMA salientam que “o ‘cluster’ do mobiliário e afins é um dos mais exportadores da economia nacional, com cerca de 90% da produção a ser destinada aos mercados estrangeiros”.

“O saldo da balança comercial nos primeiros sete meses do ano mantém-se muito positivo, cifrado nos 377 milhões de euros, com uma taxa de cobertura das importações pelas exportações de 180%”, conclui o referido comunicado.

A APIMA é uma associação empresarial sem fins lucrativos, criada em 1984, de direito privado e âmbito nacional, sediada no Porto, que tem como desígnio representar as empresas do setor e promover o desenvolvimento de condições que aumentem a sua competitividade nacional e internacional.

Ler mais

Recomendadas

Pandemia custa 3.058 milhões de euros ao Estado até setembro

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões de euros ‘arrastada’ pela quebra do IVA e IRC

“No mês de setembro a receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado volta a refletir os efeitos da pandemia covid-19, registando-se uma queda de 2.822,7 milhões de euros (-8,3%) face aos primeiros nove meses de 2019”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

“A justiça tributária foi infetada pela Covid 19 e esteve longos meses em coma”, diz fiscalista

Vânia Codeço, advogada da RFF & Associados – Sociedade de Avogados, revela a impreparação a justiça tributária, em particular dos tribunais, e a resposta lenta às necessidades da gestão da pandemia. Regista ainda que as inspeções tributárias e os processos de execução fiscal pararam, tendo os tribunais tributários funcionado numa lógica de serviços mínimos com o lockdown a transformá-los num órgão de soberania “quase ausente”.
Comentários