CMVM levanta suspensão da negociação das ações da SAD do FC Porto

A decisão surge depois de a SAD anunciar o adiamento do reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) informou esta sexta-feira, depois do fecho da sessão, que levantou a suspensão das negociações das ações e obrigações da SAD do Futebol Clube do Porto, na sequência de divulgação de informação “relevante” ao regulador.

A decisão do supervisor de colocar os títulos da SAD portista em stand-by deveu-se ao facto de a esta sociedade ter prevista uma reunião com os obrigacionistas numa tentativa de adiar o pagamento dos 35 milhões de euros por mais um ano. Porém, os ‘dragões’ adiaram o reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.

O adiamento foi comunicado esta tarde, depois dessa assembleia de obrigacionistas. “A aprovação da alteração da data de reembolso das obrigações FC Porto SAD 2017-2020 de 9 de junho de 2020 para 9 de junho de 2021, sem qualquer penalização para a FCP SAD, e correspondentes alterações aos termos e condições das obrigações FC Porto SAD 2017-2020, bem como o reconhecimento e aceitação de que o facto de a Emitente não efetuar aquele pagamento em 9 de junho de 2020 não constitui uma situação de incumprimento das Obrigações FC Porto SAD 2017-2020”, explicou o clube, em comunicado.

O FC Porto explicou, na mesma nota, que a votação dos dois pontos da ordem de trabalhos da assembleia obtiveram, respetivamente, 208.370 votos a favor (correspondentes a 87% dos votos emitidos), 31 mil votos contra (correspondentes a 13% dos votos emitidos) e 0 abstenções, e 214 370 votos a favor (correspondentes a 90% dos votos emitidos), 25 mil votos contra (correspondentes 10% dos votos emitidos) e zero abstenções.

Recomendadas

Andebol, basquetebol, futsal, patinagem e voleibol regressam no dia 22 de agosto

As respetivas federações estiveram hoje reunidas, por videoconferência, com representantes da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto a “finalizar a análise ao Protocolo Orientador de Regresso aos Treinos e Competições – Covid-19”, que permita consumar as pretensões destas modalidades.

Sem britânicos para jogar golfe, turismo português vai perder mais de 1000 milhões de euros. Veja o “Jogo Económico”

Nesta indústria, estima-se um impacto de 135 milhões de euros mas se alargarmos essas perdas para hotelaria e restauração, estes 135 milhões de euros de prejuízo terão de ser multiplicados por dez. Para esta reflexão, contamos com a presença de Luís Correia da Silva, presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe.

Fernando Gomes reeleito para terceiro e último mandato na FPF

Aos 68 anos, Fernando Gomes foi reeleito pela terceira vez para o cargo, para um mandato até 2024, pela segunda vez sem oposição, depois de ter vencido as eleições de 2011 frente a Carlos Marta.
Comentários