Coca Cola e Chipotle impulsionam Wall Street para terreno positivo

As praças do outro lado do Atlântico encerraram em alta, pela segunda sessão consecutiva. Títulos da Coca Cola, Chipotle e Johnson & Johnson destacam-se em Wall Street.

Wall Street | Spencer Platt/Getty Images

Os principais índices bolsistas encerraram a sessão desta quarta-feira em alta, pela segunda sessão consecutiva, animados com os ganhos corporativos robustos e otimismo renovado sobre a recuperação económica dos EUA a alimentarem o apetite de risco dos investidores.

Tanto o Dow Jones como o S&P 500 avançaram 0,83%, sendo que o industrial subiu para 34,798.00 pontos e o Standard & Poor’s cresceu para 4,359.00 pontos. Entre as praças tecnológicas, o Nasdaq 100 saltou 0,78% para 14,842.63 pontos e a congénere Composite saltou 0,92% para 14,632.0 pontos.

Embora os ganhos sejam palpáveis, existem receios sobre se a economia vai desacelerar por causa da variante Delta da Covid-19, sugere Peter Tuz, presidente do Conselho de Investimentos Chase em Charlottesville, Virgínia. “Mas estamos a ver fortes ganhos com uma orientação geralmente positiva e a sensação de que [a variante Delta] pode ser gerida.”

Entre as maiores valorizações, a Chipotle Mexican Grill (+11,54% para 1,756 dólares) atingiu um recorde depois da rede de burritos ter superado as estimativas de lucro, o que levou a que as previsões de vendas para este trimestre sejam mais otimistas.

O otimismo também se verificou entre os títulos da Coca-Cola (+1,24% para 56,55 dólares) que anunciou, esta quarta-feira que os lucros líquidos aumentaram 48% no segundo trimestre de 2021 face ao período homólogo para os 2,64 mil milhões de dólares, ou 2,2 mil milhões de euros. As receitas líquidas da empresa subiram 42% para os 10,1 mil milhões de dólares (8,6 mil milhões de euros), um desempenho que se deve, segundo a empresa, à recuperação do consumo à medida que as quebras originadas pela pandemia do novo coronavírus se atenuam com o progredir da situação sanitária e com uma maior rapidez entre a produção e as vendas.

A farmacêutica Johnson & Johnson (+0,62% para 169,50 dólares), que previu receitas na ordem dos 2,5 mil milhões de dólares por causa da produção de vacina one-shot contra a Covid-19.

Em sentido contrário, destaque para a Netflix que caiu mais de 3% depois de as estimativas apontarem para uma queda no número de subscritores.

Recomendadas

Wall Street encerra ‘mista’ penalizada com números do emprego nos EUA

As empresas privadas nos Estados Unidos criaram 330 mil novos empregos, números que ficam aquém das expectativas dos analistas que, após reverem a previsão em baixa, apontavam para os 680 mil novos postos de trabalho. S&P 500 e Dow Jones fecham o dia no ‘vermelho’, enquanto o tecnológico Nasdaq encerra em terreno positivo.

PSI-20 contraria ganhos na Europa e fecha a perder 0,23%

O PSI 20 destoou da tendência europeia, onde os principais índices avançaram depois de dados animadores relativamente à recuperação económica europeia e colocaram o pan-europeu STOXX 600 em máximos históricos pelo terceiro dia consecutivo.

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.
Comentários